Agências dos Correios realizam cadastro para usuários do Auxílio Emergencial

0
416
Brasília - Funcionários dos Corrreios entram em greve em todo o país (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Desde o dia 8 de junho, as agências dos Correios estão credenciadas a afazer o cadastramento de pessoas beneficiárias do Auxílio Emergencial. Com isso, os usuários terão mais opções para conseguir ter acesso ao benefício do Governo Federal.

Segundo a instituição, a expectativa é realizar até 27 milhões de atendimentos. No entanto, os beneficiários com condições de acesso à internet devem fazer o cadastro do Auxílio Emergencial pelo aplicativo ou site da Caixa Econômica Federal ou da Dataprev.

Para realizar o cadastro, o interessado deve levar para as agências dos Correios os seguintes documentos:

  • Identificação oficial com foto, em que conste também o nome da mãe do beneficiário;
  • Cadastro de Pessoa Física (CPF) do usuário e dos membros da família que dependem da renda do titular; e
  • Dados bancários ou documento de identificação (RG, CNH, passaporte, CTPS, RNE ou CIE) para solicitar abertura de Conta Social Digital, em nome do titular.

Para quem não possui alguma conta bancária, será aberta uma conta digital pela Caixa, chamada de Caixa Tem. Para realizar a abertura desta conta, o usuário deve apresentar algum documento de identificação, podendo ser o RG, CNH ou Passaporte.

Vale destacar o pagamento do Auxílio Emergencial não será realizado nas agências dos Correios. Para acompanhar o recurso, o beneficiário possui os canais canais disponibilizados pelo Ministério da Cidadania, Dataprev e Caixa ou pelo telefone 121.

Quem tem direito ao Auxílio Emergencial

Caso seja pessoa física

  • ser maior de 18 anos;
  • não ter emprego formal;
  • não for titular de benefício previdenciário ou assistencial, beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o bolsa-família;
  • ter renda mensal per capita de até meio salário mínimos (R$ 519) ou a renda familiar mensal for no total de até três salários mínimos (R$ 3.135); e
  • não tenha recebido em 2018 rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70.

Se você é autônomo:

  • exercer atividade na condição de Microempreendedor Individual (MEI) ou;
  • ser contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social ou;
  • ser trabalhador informal, de qualquer natureza, inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal até 20 de março de 2020.