Carnaval 2018

Editorial | Carnaval das galáxias

No carnaval das galáxias, constelações de vários lugares vão orbitar nossa região. O planeta maior? O Sambódromo do Anhembi. As constelações? As estrelas das escolas de samba oriundas de todos os cantos. A galáxia? A Zona Norte.

É hora de desbravar o universo e mergulhar em uma viagem de sóis e estrelas. No planeta chamado Anhembi – que tem o nome científico de Polo Esportivo e Cultural Grande Otelo –, estrelas vão brilhar na passarela do samba, o som que ecoa e vagueia em todos os cantos sem deixar nenhum vácuo.

De acordo com os astrônomos, oito constelações poderão ser observadas entre sexta-feira e sábado de carnaval. A constelação do Bixiga, formada por 15 estrelas, Vai-Vai fazer brilhar o canto de Gilberto Gil. Há também as nuvens estelares cheias de alegria do Limão: uma jovem constelação, de dez estrelas, de uma Mocidade Alegre que vai cantar o som de Alcione.

Poeiras interestelares vão levantar no universo quando as estrelas da Brasilândia passarem: são as sete douradas da Rosas, com seus caminhões repletos de histórias de um universo bem brasileiro. O voo rasante das quatro estrelas da Gaviões da Fiel vai fazer brilhar o céu de Guarulhos, cidade por onde a constelação alvinegra passará neste ano.

As três estrelas supernovas da constelação da Casa Verde trarão à galáxia o poder do povo. De volta à órbita espacial (ou seria especial?), já que depois da tempestade vem a bonança, as duas estrelas da X-9 Paulistana vão reluzir no planeta Anhembi.

Há também uma outra supernova, em uma inédita explosão ocorrida em 2017: a constelação da Tatuapé poderá ser brilhantemente vista do Maranhão, de acordo com os astrônomos.

Já no domingo, os astrônomos preveem a circulação da constelação de Vila Matilde: são cinco estrelas, de uma Nenê que fará os mares ficarem agitados com a influência de Iemanjá, de acordo com os astrólogos – há outras seis estrelas da mesma Vila Matilde, não contabilizadas pela comunidade astrológica paulistana, que oficializou as constelações em 1968.

Por esse motivo, na sexta-feira, os astrônomos avisam que as cinco estrelas da Peruche vão brilhar, sobretudo no bairro carioca de Vila Isabel, já que um certo Martinho partideiro e menestrel anda por lá. Voltando ao domingo, as nove estrelas da constelação da Barra Funda terão tons de Camisa Verde e Branco – o horóscopo diz que é tempo de poesia com o libriano Mário de Andrade.

Os astrônomos alertam: poderão ocorrer explosões de supernovas em tons avermelhados, talvez independentemente tricolores, na forma de Dragões ou em Tom Maior. Supernovas verdes e azuis poderão deixar uma Mancha de felicidade, ou surgir a constelação de Vila Maria – que vão ser mais brilhantes no México.

Porém, uma supernova terá que aguardar, para a tristeza da galáxia: raios de fogo impediram a formação da constelação de Tucuruvi. As partículas dessa formação estarão por museus e panteões, que guardam deuses e a própria história das estrelas.

Neste final de semana, a Zona Norte será o centro do universo.

fotos: Bruno Viterbo

Editorial | Carnaval das galáxias


Topo