Casa Cultural Hip Hop Jaçanã corre risco de ser fechada

0
1114

Na manhã de hoje (18), quinta-feira, cerca de cinco Guardas Civis Metropolitanos (GCM) entraram na ocupação Casa Cultural Hip Hop Jaçanã (CCHHJ) e anunciaram que iriam interditar o local, pois o espaço será uma futura base da GCM. A visita aconteceu logo após a distribuição de leite promovida por uma associação que participa da ocupação.

Um dia antes, moradores do entorno flagraram guardas da GCM rompendo a corrente que mantém a Casa Cultural fechada, em seu lugar foi colocado apenas um laço.

“Querem destruir esse polo cultural e educativo social, para construir uma base da GCM, sendo que a [menos de] 800 metros nós temos aqui a 73 DP. Isso é surreal!”, descreve Marcus S., professor de História do Cursinho Popular, onde ele fala sobre a visita da GCM em um vídeo nas redes sociais.

Ofício apresentado pelos agentes do GCM durante visita a Casa Cultural Hip Hop Jaçanã

No mesmo vídeo, o também professor Davi Albuquerque reforça: “A população não precisa de mais um posto policial, a população precisa de educação, a população precisa de arte, cultura, transporte e lazer”.

De acordo com o grupo que foi abordado pelos guardas, a justificativa da visita foi um ofício emitido no dia 17 de junho, quarta-feira, no qual pede que o local seja transformado em uma base da GCM, apensar de ter uma Delegacia de Policia a menos de 300 metros do espaço.

Atualmente o espaço está sendo disputado entre as secretárias municipais. No dia 6 de março a secretária Municipal de Cultura (SMC) homologou a intenção de regularizar algumas ocupações culturais, entre elas a CCHHJ. No entanto, no dia 13 de março o terreno foi transferido para responsabilidade da secretária municipal de Segurança Urbana.

Ocupação cultural

Em razão do coronavírus (covid-19), muitas das atividades que ocorriam no espaço foram suspensas ou tiveram que ser adaptadas, como é o caso do Cursinho Popular e dos Saraus, que passaram a acontecer pela internet.

Desde o inicio da quarentena, os membros da ocupação vem cadastrando famílias do entorno para receberem cestas básicas. Até o momento foram entregues cerca de 500 cestas básicas, além de kits de higiene e kits de leitura.

Além dessas atividades, a CCHHJ promove:

  • Samba Rock;
  • Capoeira;
  • Aulas de canto e instrumentos musicais;
  • Entrega de leite;
  • Contação de histórias, samba de roda, boi bumbá;
  • Horta comunitária;
  • Cinedebate; e
  • Biblioteca comunitária;

Regularização do espaço

Graças a conversa com o Movimento Cultural das Periferias (MCP) com a SMC, a Casa Cultural Hipo Hop Jaçanã poderia se tornar um equipamento cultural da Prefeitura, assim como outras ocupações culturais pela cidade.

Nesta semana a SMC lançou um edital no qual iria oferecer um recurso para ocupações poderem gerir o espaço, realizando atividades culturais ou na compra de equipamentos. Entre as que poderiam receber esse recurso era a própria Casa Cultural Hip Hop Jaçanã.

Em junho de 2019, o secretário municipal da Cultura, Alê Youssef (na época), havia confirmado que a Casa Cultural Hip Hop Jaçanã “caminha para um reconhecimento [enquanto equipamento de cultura]”.

Base da GCM

Em setembro de 2019 a Inspetoria do Jaçanã/Tremembé da GCM foi transferida do Jardim Joamar para integrar o Complexo onde está localizada a Inspetoria Regional Vila Maria/Guilherme, na Travessa Siemens, 9 – Carandiru.

No antigo terreno da GCM será construído o CEU Tremembé, obra que está a quase um ano atrasada. Na ocasião, o subprefeito de Jaçanã/Tremembé, Alexandre Pires, havia declarado que pretendia “finalizá-la o quanto antes”.

A transferência faz parte do programa de reestruturação implementada pela Prefeitura, que prevê, entre outras ações, mudanças e reformas nas unidades da GCM, com a finalidade de promover melhores condições de trabalho aos integrantes da corporação.

O que diz a Prefeitura?

Em nota a Prefeitura responde que, por intermédio das secretárias nunicipais de Cultura  e Segurança Urbana, a “Casa de Cultura Hip Hop do Jaçana, terá sua utilização mantida para fins culturais”. A Secret´paria Municipal de Segurança Urbana “irá reanalisar o processo  que  previa a instalação de uma inspetoria regional da GCM no local”.