Histórias

A formação de um bairro sob o olhar da educação

por Irmã Geralda Neuza Hipólita e Thaís Sant’Ana de Moraes

O Colégio Santana carrega em seu nome a história do bairro que cresceu ao seu redor. Atualmente localizado na Rua Voluntários da Pátria, número 2624, esta escola começou ainda no século passado, em 1892 na Avenida Angélica, centro da capital, com o nome de Sagrado Coração de Maria e dirigido pelas Irmãs de São José de Chambéry (França), que já estavam a 34 anos no Brasil. Em 1894, o Colégio mudou-se para o bairro de Santana, no alto da colina, e mudou de nome para honrar sua nova casa e também diferenciar-se da Congregação Sagrado Coração de Maria.

O crescimento do bairro de Santana está atrelado à vinda das Irmãs de São José de Chambéry para a instalação do Colégio.

Colégio Santana no final do Século XIX

Foi nos pátios do Colégio que Padre Roberto Landell de Moura fez as primeiras experiências com o telefone sem fio, apoiado pela Irmã Maria Virgínia Faraldi da Congregação de São José de Chambéry, italiana que tinha conhecimentos das pesquisas relacionadas. Estes foram os primeiros testes de transmissão de voz humana, sem o auxílio de fios, que colocam o Colégio Santana nas páginas da história das telecomunicações do Brasil e do Mundo.

Além disso, foram as Irmãs do Colégio Santana que mobilizaram-se para a instalação da primeira linha telefônica no bairro, conseguindo que, em 16 de março de 1912, a Companhia Telefônica instalasse o primeiro aparelho da região, com ligação direta para a cidade em seu prédio. Hoje com nossos celulares nos bolsos parece inacreditável que somente um estabelecimento tivesse linha telefônica em todo um bairro. Graças às Irmãs, o bonde chegou até à Rua Conselheiro Moreira de Barros a fim de trazer os alunos até o Colégio Santana.

Alunas do Colégio Santana em 1919.

No início, este era um Colégio interno para meninas e moças. Depois passou a receber alunos de ambos os sexos e sem a função de internato. Uma das maiores realizações do Colégio Santana aconteceu na década de 60 – enquanto ainda só estudavam meninas – que foi a fundação da “Colmeia Recreativa”, pela Irmã Maria Bernadette Leme Monteiro.

Esta tinha como finalidade contribuir para a formação religiosa, social e educacional de meninos pobres. Com o passar dos anos a Colmeia evoluiu para uma Escola independente que hoje tem o nome de Irmã Maria Bernadette Leme Monteiro e dá “ensino gratuito” a crianças do 1º ao 9º ano vindas de famílias em situação de vulnerabilidade social.

Colégio Santana em 1935.

O Colégio Santana permanece como espaço de produção cultural, social, intelectual, científica e religiosa, inovando e consolidando a cada ano sua missão de centro vivo de expansão de conhecimentos. Preserva suas raízes de contribuir para a construção de uma sociedade justa, fraterna e solidária, comprometida com a vivência da cidadania.

Mesmo com toda a tradição que nos caracteriza e percebendo que inovar é preciso, implantou um projeto interdisciplinar  com o objetivo de resolver problemas do dia a dia, conhecer ferramentas de tecnologia e robótica e reforçar habilidades importantes como pensamento lógico, trabalho em equipe e integração entre os alunos. Nossa proposta de aprendizagem hoje é centrada no aluno e o professor passa a ser um mediador que propicia o desenvolvimento de habilidades e competências individuais.

Para facilitar este trabalho, usamos a plataforma Geekie, que contempla videoaulas de todas as disciplinas, planos de estudo, proposta de redação, avaliação com análise de desempenho e tarefas de casa. Tudo isso faz com que o próprio aluno possa gerenciar sua performance. O conteúdo é robusto e trabalhado por meio do sistema de ensino Poliedro e sua plataforma P+, que oferece ao aluno recursos para organizar seus estudos com autonomia.

No Projeto Inovação utilizamos todos os nossos espaços de maneira produtiva para que a aprendizagem do aluno seja significativa.  A aula é planejada de maneira diferente, os alunos têm contato com o conteúdo previamente fora da  Escola. Na sala de aula o professor irá acompanhar atividades, trabalho em equipe, auxiliar na elaboração de roteiros de estudo individuais e projetos de trabalho.

Cada aluno é único, acolhido e respeitado, levando em conta o seu desenvolvimento e suas particularidades. O ensino assume um caráter personalizado em que o próprio aluno vai descobrindo novas formas de aprender.

O Colégio Santana está acompanhando experiências de sucesso de outros países e agregando na sua prática pedagógica. Por nossas salas de aula já passaram crianças e jovens que hoje em dia se destacam nas atividades que escolheram desempenhar e nos enchem de orgulho por também fazerem parte de nossa história.

Irmã Geralda Neuza Hipólita é Diretora Geral do Colégio Santana; Thaís Sant’Ana de Moraes, Diretora Educacional.

fotos: gentilmente cedidas pelo Colégio Santana



Topo