Coronel Velozo / Incêndios: de quem é a culpa?

0
133

Coronel Velozo – Hervando Luiz Velozo

Nasceu na Freguesia do Ó; foi soldado do Exército Brasileiro, e na Polícia Militar do Estado de São Paulo, comandou áreas como Campo Limpo, Morumbi, Jardins, Lapa, Pirituba e Perus, e por último foi comandante do policiamento de trânsito (CPTran).Palestrante e instrutor sobre segurança pública e privada.

facebook.com/coronelvelozo – email: hlvelozo@uol.com.br

 

Os incêndios florestais em nosso estado dobrou comparado ao ano passado. Até o momento foram registrados mais de 4.200 focos contra 2.000 em 2019, registrando uma alta de 109% de acordo com o INPE, e atingem a mata atlântica e o cerrado.

As causas, são a seca registrada nestas regiões além daqueles considerados criminosos, que são incêndios provocados intencionalmente para limpar áreas de agricultura mas que acabam perdendo o controle e invadem florestas e áreas de mata, inclusive de reservas ecológicas no estado.

Além do fogo que destrói a mata e podendo chegar em áreas urbanas destruindo propriedades, tem um agravante ainda pior, que é a morte de animais silvestres nestas regiões.

De acordo com a Polícia Ambiental e o Corpo de Bombeiros, na região noroeste do estado já foram resgatados mais de 1.800 animais silvestres, número que corresponde a 53% mais que em todo o estado.

Milhares de animais estão sendo mortos, queimados ou por asfixia, entre eles répteis, anfíbios, roedores, marsupiais e aves de pequeno porte, além de muitos que morrem atropelados em rodovias fugindo das queimadas. Outra situação é a fuga de animais para áreas urbanas, onde já presenciamos a captura de um lobo guará no estacionamento de um supermercado em São José do Rio Preto no mês de agosto, e em Cerqueira César, uma onça foi flagrada correndo pelas ruas de um bairro no começo do mês de setembro.

Uma outra área de proteção ambiental  na região da Serra do Mursa, em Várzea Paulista, já atingiu aproximadamente dois milhões de metros quadrados de área queimada, o que equivale a 280 campos de futebol, e próximo a região de Jundiaí no bairro Engordadouro a mata foi atingida por queimadas que causou o fechamento da Rodovia Anhanguera por diversas vezes por causa da fumaça.

Os escassos recursos dificulta o combate a estas queimadas. além da falta de fiscalização sobre as queimadas controladas, que na maioria da vezes são provocadas sem critérios e acabam causando grandes incêndios em locais de preservação ambiental e florestas próximas a estas áreas de produção agrícola.

É evidente que o fator climático contribui e muito, já que a cada ano presenciamos secas cada vez mais severas, e percebemos isso neste inverno que tivemos dias de muito calor do que frio, e a redução de chuvas, que é fator predominante para que estes incêndios ocorram.

As queimadas afetam a qualidade do ar na cidade de São Paulo, e isso é latente no ar que respiramos. Nesta época a poluição na cidade atinge uma altitude de 1.500 metros em média e o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) já registou nesta semana, o dobro, 2.800 metros.

Está previsto ainda, que entre hoje (18), e amanha (19), chegue a nossa cidade uma possível chuva preta, em consequência das fumaças que estão em direção ao nosso estado dos incêndios que estão ocorrendo no Pantanal que já tomou proporções gigantescas com mais de 15.000 focos de incêndio, matando animais e devastando a região, inclusive atingindo reservas indígenas.

A questão das queimadas em nosso país é problema corriqueiro todo ano, mas percebemos que a cada ano estão se tornando cada vez mais frequentes, e maiores em áreas atingidas. A falta de planejamento do governos e principalmente de fiscalização contribui com esses resultados. Não podemos ficar de braços cruzados e assistirmos a nossas florestas incendiando e animais sendo mortos, devemos exigir dos governos investimentos e que adotem medidas concretas e sérias de prevenção, já que nosso clima está mudando ano a ano e continuam com ações arcaicas e de poucos resultados. A tecnologia é a nossa maior aliada, o país possui institutos sérios e competentes, que avaliam e mapeiam estas informações que podem ser utilizadas com planejamento e prevenção. O que o nosso país precisa é de vontade política e não de políticos que só aparecem como salvadores da pátria depois que o incêndio é apagado.