Saúde

Cuidados com a osteoporose devem começar o quanto antes

Com envelhecimento da população, Sociedade Paulista de Reumatologia faz alerta sobre osteoporose

A população brasileira está vivendo cada vez mais. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados em novembro de 2018 mostram que em 2060, 1 em cada 4 brasileiros será idoso, ou seja, com 65 anos ou mais. Nessa idade e até mesmo antes para mulheres, é comum o surgimento da osteoporose, que é quando os ossos ficam mais frágeis e porosos. Essa condição vem associada a um maior risco de fraturas gerais, vertebrais e de quadril.

A osteoporose é uma doença que atinge predominantemente mulheres na faixa etária pós-menopausa (entre 45 e 55 anos) porque é quando há um declínio abrupto na produção do hormônio estrógeno – que, ao longo da vida reprodutiva da mulher, atua na formação, calcificação e manutenção dos ossos.

Quanto aos homens, segundo Karina Bonfiglioli, doutora em reumatologia e diretora científica da Sociedade Paulista de Reumatologia (SPR), observa-se uma alta prevalência em pacientes masculinos acima dos 65 anos, principalmente se existem condições predisponentes ao alcoolismo, tabagismo e diminuição nos níveis de testosterona.

Prevenção

As principais medidas preventivas estão associadas a hábitos de vida saudáveis ao longo da vida, desde a infância.

Também é recomendado dieta rica em cálcio e vitamina D, prática de atividades físicas, além de evitar o tabagismo e alcoolismo. No caso das mulheres, é necessário realizar exame de densitometria óssea quando atingir a menopausa, uma vez que a doença é assintomática e precisa ser investigada quando existem fatores de risco.

Quando procurar um reumatologista?

A procura por um especialista deve ser levada em consideração quando o paciente sentir dor nas articulações (mãos, pés, joelho, tornozelos e cotovelos); dor na coluna vertebral; dor difusa pelo corpo; lesões por esforço repetitivo (tendinites e bursites); alterações em determinados exames laboratoriais detectados por outros especialistas e no rastreamento e tratamento de osteoporose (mulheres na pós-menopausa e homens acima dos 65 anos).

Geralmente, as pessoas costumam procurar um ortopedista quando apresentam dor, mas, de acordo com a reumatologista da SPR, existe uma diferença. O ortopedista tem foco maior em lesões traumáticas e cirúrgicas, mas as doenças autoimunes, degenerativas e inflamatórias são tratadas pelo reumatologista, que cuida de doenças que atingem o tecido conjuntivo e aparelho locomotor, incluindo articulações, ossos, músculos, tendões e ligamentos.



Topo