Histórias

Democrático, 80 anos de história no futebol

Num tempo muito distante, era tudo mato. E várzea. As margens do rio Tietê abrigavam, além dos incipientes clubes Tietê e Esperia, poucas construções. Mas naquelas margens, campos brotavam. Campos ora verdes, ora cheios de água. Era a várzea, e a bola rolava nos primórdios do esporte trazido por Charles Müller. Onde hoje existem inúmeras construções, antigamente eram vários campos de futebol. Uma luta de suor, amor e carinho por um lugar ao sol.

Dali, daqueles campos várias vezes encharcados, surgiam craques da bola, forjando a base do que seria o nosso futebol brasileiro vitorioso mundo afora. E foi naquele 1 de outubro de 1938 que nascia o C. D. Democrático, em um lugar um pouco distante da várzea do rio Tietê, mas perto de um lugar que o verde da natureza ainda imperava, perto da Serra da Cantareira.

Assim como vários outros times, o time surgiu de uma reunião de amigos, com o objetivo de criar um clube de futebol. Em uma época em que o esporte era raramente profissionalizado, os grupos de boleiros dos bairros se reuniam, entre conversas e jogadas. No Democrático, o pontapé inicial foi dado por Tito, da família Cersósimo. O lugar? A Rua Purus, perto de onde hoje é o metrô Tucuruvi.

O nome do time não deixa margem para dúvidas: uma escolha democrática, e suas cores vermelho e amarelo fazem referência à bandeira da Espanha. Símbolo e mascote do clube, nós também temos um Moleque Travesso para chamar de nosso. A origem do mascote é curiosa: como o Democrático só disputava partidas fora, o clube era “um verdadeiro moleque de rua”.

Apita o árbitro: pela primeira vez, o Democrático entrou em campo contra o Az de Espada, do vizinho Jaçanã. Na escalação, Pepe, Neves e Ferrinho; Valão, Pedaço, Maripá, Tacinho, Lampião, Feitiço, Américo e Ameriquinho. Na sequência, chegaram Latoca, Coqueiro, Gasosa, Mingau, Brucutu, Doriva, Cida, Careca, Chimu, Siriri e tantos outros em 80 anos de história.

Mas a história do Democrático também passou por percalços. Um dos principais colaboradores do time, o Sr. José Panzone – e, posteriormente, presidente de comissão – reergueu o clube, que ficou fechado por um tempo, instalando uma nova sede. Atualmente, o Democrático é presidido por Valdir Prado, desde 1998.

Hoje, o time é mandante seus jogos sempre aos domingos, na Associação Gol de Amigos, no Tremembé (Rua Francisco Couto, 8-B).

Festa é nesta sexta

Para comemorar os 80 anos de história do Democrático, o time fará uma grande festa nesta sexta-feira (5/10), na quadra da escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi.

Além da bateria da agremiação, o evento terá o show dos grupos Percepção, Sapato Velho e o pagode do Segunda Sem Lei.

Os convites estão à venda por R$ 30, com direito a camiseta oficial do clube. A quadra da Tucuruvi fica na Av. Mazzei, 722.

 

 

 

Crédito das imagens: fotos gentilmente cedidas pelo Democrático

Democrático, 80 anos de história no futebol


Topo