Vida e Bem Estar

É hora de descansar. E agora?

O que fazer para melhorar a qualidade do sono noturno

Em meio à correria do dia a dia e o acúmulo de atividades entre a vida profissional e a pessoal, muitos acabam trabalhando bem mais do que oito horas diárias chegando, por vezes, a uma jornada de doze ou catorze horas. Cumprem toda a sua programação, ou quase toda, mas acabam esquecendo-se de programar um dos momentos mais importante do seu dia: a hora do sono. E mais do que saber o horário em que se vai relaxar e dormir, o importante mesmo é focar na duração e qualidade do sono.

Estudos recentes, que estão sendo desenvolvidos pelo Instituto Nacional de Envelhecimento (NIH, sigla em inglês), nos Estados Unidos, revelam que as “convencionais” oito horas de sono não são suficientes para descansar mente e corpo. Pesquisadores descobriram que a qualidade do sono está mais relacionada ao processo do adormecer do que à noite de sono em si e que, em geral, pessoas com boas noites de sono consomem 90% do tempo que passam na cama dormindo. Assim, precisam de mais tempo em seus leitos para dormirem, efetivamente, oito horas.

Para saber qual o tempo ideal de sono para cada um, uma dica é aproveitar as férias, ou mesmo os finais de semana, e deixar-se adormecer sem horário certo para despertar, respeitando a vontade e a necessidade real do organismo. Depois de repetir o processo algumas vezes, será possível entender qual o número necessário de horas para descansar com qualidade durante a noite.

Dicas para dormir bem

Evitar a ingestão excessiva de cafeína próximo ao horário de dormir, comer demais à noite, consumir bebidas alcoólicas com frequência no período noturno, expor-se por muito tempo em frente às telas de celulares, tablets, televisores e afins dificultam o relaxamento do organismo e comprometem a qualidade do sono. Por outro lado, trocar as roupas de cama com frequência, optar por locais calmos, escuros e com temperatura agradável para dormir e ingerir alimentos saudáveis e água ao longo do dia favorecem noites de sono mais revigorantes. Mas é claro que, se as noites mal dormidas forem corriqueiras, vale a pena buscar ajuda médica e realizar alguns exames.



Topo