Editorial

Editorial | Todos pela tecnologia

Há apenas três anos, a maior cidade da América Latina tem uma semana de tecnologia para chamar de sua: a terceira edição da São Paulo Tech Week (SPTW), iniciada na última segunda-feira (6/11), mostra que a capital é, sem dúvidas, um hub de inovação e conhecimento – mas ainda há um longo caminho a trilhar.

Durante a cerimônia de abertura, realizada na sede da TOTVS, multinacional do ramo, entusiastas da área puderam ter um breve panorama da atual situação: São Paulo – e, por extensão, o Brasil – não está preparada para os desafios que a tecnologia impõe, ainda que a capital seja mais avançada nesse sentido, em relação às outras cidades.

Como qualquer período de mudanças impactantes, sobretudo quando envolvem hábitos – máquinas no lugar de teares, carros no lugar de carroças, Netflix no lugar de videolocadoras –, são turbulentos. A comunicação é um exemplo: demissões atingem todos os setores, do jornalismo ao entretenimento. As redações estão se compactando, a internet avançando e os desempregados sem saber o que terão pela frente. Como nos períodos anteriores, a tecnologia é apontada como vilã. Ledo engano.

O problema é estrutural. Em um país com milhões de cabeças pensantes, a educação falha não permite o progresso necessário. Na área de tecnologia, a situação é ainda pior: há um enorme mercado a ser explorado, mas falta mão de obra qualificada.

Opinião geral, tanto para CEOs, como Laercio Cosentino, da TOTVS; quanto para o setor público, como Juan Quirós, Presidente da SP Negócios, a inclusão de aulas de programação nas escolas, desde o ensino fundamental, é ideal para que o futuro seja mais promissor, com profissionais qualificados. Afinal, a área de tecnologia acabará por abraçar praticamente todos os ramos. A próxima “revolução” é a internet das coisas: prepare-se para ter geladeiras e máquinas de lavar conectadas à internet.

É preciso um esforço contínuo para que a semana de tecnologia não fique restrita apenas a sete dias: enfatizado na abertura, o legado deve ser permanente, de modo a fomentar um mercado ainda inicial, mas em franca expansão.

E, não custa lembrar: a sede da TOTVS fica na Casa Verde. O local foi o único da Zona Norte a receber um evento da São Paulo Tech Week. Sinal de que, se São Paulo precisa evoluir, a região precisa esquecer que vive em uma bolha, só porque está “do outro lado do rio” e possui o (agradável, porém fatídico e caricatural) “clima interiorano”. Ou, então, permanecerá na vanguarda.

Do atraso.

foto: Divulgação/TOTVS



Topo