Editorial

Editorial / Um presidente com espectro do seu antigo cargo

A liderança de uma empresa, de uma instituição ou de um grupo de pessoas é concebida a pessoas capazes de exercer o cargo com capacidade de gerenciar os objetivos a qual foi designada de forma coerente, responsável, produtiva e, acima de tudo, com isenção de seus valores pessoais quando o assunto são ideologias, radicalismo e suposições sobre assuntos que não lhe compete comentar, ou impor prerrogativas quando se pronuncia com arrogância de que sabe tudo sobre o assunto. Na maioria das vezes que isso acontece sua liderança estará em risco, principalmente no que diz respeito a confiabilidade de sua permanência no cargo, já que parte dos que são liderados estão sendo massacrados por comentários indesejáveis e, algumas vezes, ofensivos. Uma grande liderança é forjadana imparcialidade, capacidade, integridade, resiliência, paciência, coerência nas decisões e comando.A história é testemunha!

O que dizer então daquele que comanda um país com grande diversidade ideológica política e religiosa, de raças e de orientações sexuais, além dos problemas graves que enfrenta? O que esperar desse líder que tem a frente uma enorme responsabilidade de abrandar a recessão econômica que assola o País, causando inclusive a fome de milhares de famílias que estão abaixo da linha de pobreza?

É com pesar que assisto diariamente esse líder político, num cargo como a Presidência da República, que, em seus pronunciamentos, cria desavenças, repúdios, insatisfação e, consequentemente, evasão daqueles que podiam ser seus comandados e aliados nesta que é, talvez, a maior oportunidade que o País tem para mudar em muitos aspectos, entre eles: sanar a corrupção, estabilizar a economia e reformar o que é necessário ser reformado nos três poderes no que diz respeito a Legislação, impostos, previdência entre outras urgências.

O excelentíssimo senhor presidente, Jair Bolsonaro, eleito democraticamente pelo anseio de milhões de brasileiros que imploram por essas mudanças, tem dado em troca ao povo tão somente sua personalidade ambígua, remetendo ao tempo em que era Deputado Federal. A impressão que tenho é que os 27 anos de cadeira parlamentar estão enraizados em sua essência, desestabilizando a verdadeira postura que um Presidente deveria possuir.

Não cabe aqui pontuar cada comentário de Bolsonaro a que me refiro, pois estão diariamente em todas mídias. As afirmações presentes na maioria desses comentários, causaram e continuam causando indigestões não só no Brasil, mas também no exterior, contrariando instituições, políticos e pessoas ao ponto de até discriminá-las, eximindo o caráter e credibilidade de cada um, colocando em jogo suas responsabilidades. Além disso, a persistência em enaltecer parentes, como no caso de seus filhos, prometendo e exigindo cargos que estão fora do contexto de suas capacidades e de direito.

A República Democrática é presidida com isenções ideológicas, partidárias e religiosas, não importando o que pensa e o que gostaria de como deveria ser no seu entendimento. O governo é para ser governado para todos através dacompreensão, da moderação e da capacidade de atender a população de forma igualitária e justa.

Por tudo isso pedimos ao nosso estimado Presidente que se cale e elimine os comentários que em nada agregarão ao futuro deste País, e se atenha tão somente a liderar como um verdadeiro Presidente, deixando de lado a postura e o espectro do antigo Deputado Federal. Acorda Bolsonaro! Esse país é o Brasil, e não a Venezuela de Maduro que só se expressa em balbúrdias.



Topo