Gastronomia

A elegância e o sabor da “baixa” gastronomia nas quebradas

Difundido pelo escritor e jornalista Ruy Castro, o termo “baixa gastronomia (criado, na verdade, por sua esposa, a escritora Heloísa Seixas) há alguns anos toma conta das cidades brasileiras. Uma expressão urbana que sugere informalidade e descontração na hora de curtir um bom petisco – pagando-se, em geral, pouco por isso.

Para Castro, a baixa gastronomia remete à simplicidade e alegria. Algo, como frequentar os botecos “pé-sujo” perto de casa, onde estão os amigos e o dono do bar conhece você pelo nome.

Porém, baixa gastronomia significa sabor. Muitas vezes genuíno, com aquele requinte que dificilmente vai ser encontrado por aí. E na Zona Norte existem muitos exemplos. Da coxinha tamanho família ao paulistaníssimo pastel de feira e às porções mais inusitadas. Para os mais excêntricos, uma boa culinária nordestina. A fartura é quem comanda.

Nesse sentido, além da fartura e do sabor, um guia para lá de interessante mostra a “baixa” gastronomia das quebradas. Projeto criado pelo instituto Énois – também criador da Escola de Jornalismo –, o Prato Firmeza – Guia Gastronômico das Quebradas mostra o que há de melhor por nossas ruas nas periferias.

O projeto mapeia os melhores bares, restaurantes e carrinhos de comida onde a qualidade, o sabor e o preço são itens essenciais. O objetivo do Prato Firmeza é “promover estabelecimentos que estão fora do radar gastronômico da cidade a partir do olhar (e paladar) criterioso dos jovens correspondentes locais, formados pela Escola de Jornalismo da Énois”.

A iniciativa tem o apoio do Ministério da Cultura e, além do site (escoladejornalismo.org/pratofirmeza), tem também um livro – “mostrar que a cidade é maior do que o que se passa entre as marginais”, diz o release da obra. No site, é possível escolher por tipos gastronômicos, região e “adicionais”, como wi-fi, opções sem glúten e até com jukebox musical.

Até o momento, o Prato Firmeza possui dez estabelecimentos em toda a Zona Norte. É possível enviar o local para constar no mapa. Bom para o paladar e, claro, para o bolso!

fotos: Divulgação



Topo