Fiscalização encerra festa com 500 pessoas na Zona Norte de São Paulo

0
53

Fiscais do Procon encerraram uma festa com cerca de 500 pessoas em uma casa noturna na Freguesia do Ó, Zona Norte de São Paulo. O flagrante aconteceu na madrugada do último domingo (28).

O estabelecimento, localizado na Avenida Santa Marina, foi autuado por práticas abusivas ao consumidor por desrespeitar normas estabelecidas pelo Plano São Paulo de combate ao coronavírus.

No evento, localizado pela fiscalização durante a madrugada, cerca de 200 pessoas não usavam máscaras, de acordo com o Auto de Constatação feito pelo Procon.

O valor da penalidade ainda será calculado e terá como critério o faturamento da casa ao organizar a festa nesta madrugada, o que infringe as regras da quarentena válida em todo o estado.

Desde sexta-feira (26) todo o está sob toque de restrição entre as 23h e as 5h. A medida ficará em vigor até o dia 14 de março.

Através de um decreto, o governo paulista determinou que uma força-tarefa de fiscalização, apoiada pela Polícia Militar, “poderá determinar a dispersão de aglomerações, sempre que constatar reunião de pessoas capaz de aumentar a disseminação da Covid-19.”

A ideia do governo do estado é conter o avanço do novo coronavírus, em especial as taxas de internação hospitalar de pacientes com a Covid-19, que se encontram em patamares cada vez mais altos desde as últimas semanas.

De acordo com o governador João Doria (PSDB), a medida não é equivalente a um “lockdown”, que efetivamente proíbe a circulação de pessoas.

“O transporte público não será interrompido. Ele será restringido, limitado, mas não será interrompido. Não vamos punir as pessoas que estejam retornando para casa. É um toque de restrição, não é lockdown”, disse

O general João Camilo Pires de Campos, que comanda a pasta da Segurança Pública de SP, e é responsável pelas polícias do estado, disse que serão feitas blitzes de “orientação”.

“O foco está naquele grupo de pessoas que pode comprometer um grupo muito maior de pessoas que não tem nada a ver com aquela reunião. […] Esperamos que dê resultado especialmente pela conscientização das pessoas, e pelas soluções administrativas, antes das penais”, afirmou.

Os representantes do Clube Montanha Danças, onde a festa estava sendo realizada, não foram localizados para comentar o assunto.