Independência do Brasil: grandes conquistas e transformações

0
670

::: Ana Cláudia Sacomani

O fato histórico mais importante do País comemora 193 anos neste dia 7.

Entre as muitas celebrações programadas para ocasião, está o tradicional Desfile Cívico e Militar, que acontecerá a partir das 9h30 de segunda-feira, no Sambódromo do Anhembi, promovido pela Prefeitura de São Paulo por meio da São Paulo Turismo.

Em suas últimas edições, o desfile contou com a participação de aproximadamente 7 mil pessoas, que foram vistas e aplaudidas das arquibancadas por um público estimado em 30 mil visitantes. Fazem parte do desfile viaturas do Exército Brasileiro, das polícias Federal, Rodoviária, Militar e Civil, além de cavalaria e dos cães de guerra.

O Anhembi está localizado na Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana.

História

A frase “Independência ou Morte!” bradada por D. Pedro I às margens do Rio Ipiranga ficou famosa, mas o processo de independência começou bem antes disso. Já no início de janeiro de 1822 havia um movimento a favor da causa brasileira. Em 16 de fevereiro do mesmo ano, D. Pedro I, então Príncipe Regente do Reino do Brasil, assinou decreto convocando um Conselho de Procuradores Gerais das Províncias, cuja missão era encontrar uma forma de tornar o País independente e com autonomia própria, desligando-se de Portugal. Em abril, D. Pedro I foi a Minas Gerais e, lá, fez uma proclamação exaltando o povo a “Santa Causa da Liberdade do Brasil e sua Independência”. O mesmo aconteceu em junho na cidade de São Paulo.

Então, as cortes portuguesas, com receio de ficar sem sua colônia, mandaram cartas a Dom Pedro I em que pediam a volta dele a Portugal. Aconselhado por José Bonifácio de Andrada e Silva, o Príncipe Regente impulsivo não teve dúvidas: entre voltar e ser preso e proclamar a Independência do Brasil, preferiu a segunda opção e declamou: “Viva a Independência, a liberdade e a separação do Brasil! Brasileiros, a nossa divisa de hoje em diante será Independência ou Morte”. Logo depois, no Ipiranga, reiterou suas palavras por meio do conclamado Grito.