Zona Norte

Lauzane Paulista: o pedaço suíço da Zona Norte

O nome remete à cidade suíça, cuja média de temperatura está na casa dos 10ºC – o inverno está chegando por lá. Por aqui, o nome da cidade batiza um bairro – bem longe do frio, especialmente nesta última semana de temperaturas nas alturas – prepare-se para o verão. Mas o sol – a pino! – brilha para celebrar os 94 anos do Lauzane Paulista, comemorados em 23 de outubro.

Nem sempre o Lauzane foi “paulista”. Antes, o bairro pertencia ao distrito vizinho, o Mandaqui. Quem começou essa história foi o casal Pedro Gabone (francês) e Francisca Bocaccio (italiana), com a compra de uma grande fazenda e pequenos sítios no entorno. Os primeiros habitantes já mostravam a forte influência dos imigrantes, que saíram do Centro da cidade e desbravaram novas terras. O ano? 1870.

Décadas depois, o suíço Alberto Savoy também teve suas posses no local. Documentos que datam de 1917 mostram que o terreno de Savoy estava compreendido nas atuais Av. Conselheiro Moreira de Barros – antiga Estrada do Bispo –, até a Av. Parada Pinto. Sete anos depois, o suíço vendeu suas terras à empresa Francisco Amaro e Cia. Em posse da terra, a companhia iniciou o loteamento do bairro.

Grandes amigos, Amaro homenageou Savoy dando o nome da cidade do suíço ao bairro. Estava fundado o Lauzane Paulista, em 1924.

A influência do país no bairro é marcada pelos nomes de várias ruas que homenageiam cidades ou locais da Suíça, como ruas Vaud, Oberwill, Frauenfeld, Liestal, além daquelas fazem referência às três maiores cidades daquele país: as ruas Geneve (Genebra) e Zurich (Zurique, a cidade mais populosa), e a Av. Basileia (terceira maior cidade).

Urbanização: da represa ao centro de compras

A Zona Norte e seus bairros começaram a desenvolver-se em meados da década de 1960, um pouco depois do restante da cidade. Nesta década, o Lauzane recebeu as primeiras linhas de ônibus e escolas públicas.

O bairro – próximo à Serra da Cantareira – chegou até a abrigar uma represa, originada de explosões de uma pedreira que fornecia material para calçamento. Depois, virou um lixão e hoje o terreno é ocupado por um dos supermercados mais tradicionais da Zona Norte: o Bergamais.

A boa localização, entre supermercados, farmácias e negócios de família, ganhou valorização com a inauguração do Santana Parque Shopping, em 2007. O Lauzane Paulista também tem passado por um crescimento econômico pela grande valorização imobiliária, recorrente de alguns anos para cá.

Avenidas homenageiam profissionais

Dentre as diversas ruas, avenidas e localizações no Lauzane Paulista, duas vias principais merecem homenagem. As avenidas Conselheiro Moreira de Barros e Francisco Ranieri são algumas das principais do bairro.

A Av. Dr. Francisco Ranieri carrega esse nome em tributo à personalidade nascida em 9 de setembro de 1919, na cidade de Bauru, interior de São Paulo. Francisco foi de professor e advogado a atleta de arremesso de peso. Dirigiu o Liceu Noroeste como diretor substituto e professor, advogou em diversos fóruns por todo o país e também em São Paulo, e liderou o Departamento Jurídico do Esporte Clube Noroeste. Faleceu no dia 11 de maio de 1981, em São Paulo.

211016_aniversario-lauzane-conselheiro

Em 1841 nascia, em Taubaté, o Deputado Antônio Moreira de Barros – o futuro Conselheiro que dá nome à via. O político atuou como Presidente da Província de Alagoas. Também foi Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, conselheiro de Dom Pedro II, Deputado Geral do Partido Liberal, Cavaleiro da Grã-Cruz da Ordem do Leão Holandês e Oficial da Ordem da Rosa. Faleceu em Paris, no ano de 1896.




Warning: A non-numeric value encountered in /home/jornalspnorte/www/wp-content/themes/jornalspnorte/footer.php on line 3
Topo