Saúde

Let’s talk: um diálogo contra os estigmas da depressão

“Vamos conversar”. Esta é a tradução do lema da campanha sobre depressão que a Organização Mundial da Saúde deu início para lembrar o Dia Mundial da Saúde, celebrado neste dia 7 de abril. Apesar de silenciosa e, muitas vezes, estigmatizada, afeta aproximadamente 350 milhões de pessoas em todo o mundo, e o suicídio é a segunda principal causa de morte entre adolescentes e jovens entre 15 e 29 anos. Além disso, é o principal motivo para incapacidade no mundo e colabora para a carga global de doenças, como patologias cardiovasculares e câncer.

Trata-se de um transtorno mental afetivo ou uma doença psiquiátrica caracterizada pela tristeza constante e outros sintomas negativos que incapacitam o indivíduo para as atividades corriqueiras, como trabalhar, estudar, cuidar da família e até passear. Pode afetar pessoas em qualquer faixa etária e condições de vida e acomete mais as mulheres.

Quem sofre desse mal precisa passar por inúmeras barreiras para vencer o processo depressivo, e a primeira delas é a autocompreensão. Por isso, a informação e o diálogo são fundamentais. É comum não entender por que surge uma tristeza profunda que leva a pessoa para uma cama e de onde não tem mais vontade de sair. Além disso, em caso de confirmação do quadro de depressão, a família precisa entender a gravidade da doença, especialmente porque o tratamento exige mudanças no comportamento do indivíduo, seu meio e também a administração de medicamentos. É um processo que exige persistência.

Embora existam tratamentos eficazes, menos da metade dos afetados no mundo recebe atendimento adequado, em razão de fatores que vão desde a falta de recursos financeiros pessoais e profissionais especializados em transtornos mentais até o estigma social associado a eles – e por causa disto, muita gente sequer busca ajuda. Ademais, não raro os diagnósticos são imprecisos, o que acaba sendo outro grande obstáculo para o tratamento.

Let’s talk, então. A depressão é silenciosa e pode causar prejuízos irreversíveis. Está sendo considerada, hoje, um dos piores males da humanidade. Apesar de vivermos num mundo altamente conectado, de fronteiras quase inexistentes por meio das mídias sociais, às vezes, falta justamente o diálogo e o afeto. Antes de julgar uma pessoa com sintomas de depressão, é preciso a humildade de tentar compreender sua realidade.



Topo