São Paulo

Linha 6-Laranja será retomada

Depois de esperar quase três anos, o governador João Dória prometeu que as obras da Linha 6-Laranja do Metrô serão retomadas ainda neste ano. O anuncio foi feito ao telejornal Bom dia São Paulo, da TV Globo, no dia 10 de abril. Segundo contrato inicial, a previsão da entrega da linha é até 2020.

O governador também contou que novos trens deverão ser adquiridos para a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), além da retomada de obras do monotrilho da Linha 15-Prata e do lançamento da concessão do Trem Intercidades entre a capital e Campinas e Vale do Paraíba.

Inicialmente, a Linha 6-Laranja era para ser do modelo Parceria Público-Privada (PPP) – igual a Linha 4-Amarela. O motivo da paralisação da obra foi porque a concessionária Move São Paulo teve problemas em conseguir financiamentos, pois as empresas que a controlavam, foram investigadas na operação lava jato, da Policia Federal.

O consórcio Move São Paulo é formado pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC, assumiu o contrato de construção em 2015, mas entregou até a paralisação dos serviços, em 02 de setembro de 2016, com apenas 15% das obras. Até o momento foram gastos R$ 1,7 bi no empreendimento e o BNDES disponibilizou mais R$ 1,75 bi para retomada da obra.

Atualmente o Governo de São Paulo estuda alternativas para retomar as construções do Metrô. Entre elas estão a compra das ações da SPE por parte do Metrô; a desapropriação pelo Estado das ações da SPE, nesses cenários necessidade de recursos do Estado é de R$ 2,25 bi (valor do ativo R$ 760 mi + reequilíbrio R$ 1,5 bi); e decretação da Caducidade e sub-rogação do contrato de EPC pelo Estado, nesse cenário necessidade de recursos do Estado R$ 655 mi.

Linha 6-Laranja

Ela ligará a Vila Brasilândia com São Joaquim. Sendo interligada entre as linha 1-Azul e 4-Amarela do Metrô e 7-Rubi e  8-Diamante, da CPTM. A nova Linha deverá atender a mais de 630 mil pessoas por dia. O custo total do empreendimento era de R$ 9,6 bilhões, sendo que deste valor R$ 8,9 bilhões seriam divididos entre governo e consórcio.

A Linha das Universidades

A estação contará com 16 estações, ligando as universidades de São Paulo. em algumas universidades. São elas: Brasilândia, Vila Cardoso, Itaberaba-Hospital Vila Penteado, João Paulo I, Freguesia do Ó, Santa Marina, Água Branca, Pompéia, Perdizes, Cardoso de Almeida, Angélica, Pacaembu, Higienópolis-Mackenzie, 14 Bis, Bela Vista, São Joaquim.



Topo