Marcelo Segredo

Marcelo Segredo | As vendas da sua empresa caíram? Saiba como equacionar dívidas e crescimento

Os dados desfavoráveis para as empresas no país não param de subir. De 2017 para 2018, o número de empresas devedoras aumentou em 7,14%, de acordo com o SPC Brasil. Praticamente metade das microempresas e empresas de pequeno porte estão completamente corrompidas pelas dívidas. Para piorar, a FGV acaba de divulgar estudo que aponta que o país só deve atingir o nível de crescimento que teve em 2014 no ano de 2020!

Tais números deixam evidente que o caminho para a sobrevivência das empresas agora é a busca por novas formas de ver esse mercado desfalcado. Para isso, existe um binômio fundamental: organização das dívidas e atendimento às necessidades dos clientes.

Como reorganizar as dívidas?

Falemos primeiramente de dinheiro. Sem ele, não há giro, não há pagamentos e, logo, não há mais empresa. O primeiro tabu a ser quebrado é o da dívida bancária, que em outras palavras significa: “parar de escutar os conselhos do seu gerente do banco”.

O ciclo de endividamento é provocado por um fenômeno chamado “reescalonamento de dívida”, que nunca será vantajoso para as empresas. Isso porque existe uma cláusula na renegociação que é intitulada de “confissão de dívida”, que faz com que a dívida apenas cresça, assumindo os juros da dívida anterior.

Nesse caso, o correto a se fazer é reunir aqueles contratos que possuem garantias (avalistas e imóveis) e tratá-los como prioridade de pagamento e renegociação. Para os remanescentes, há sempre uma estratégia de pagamento a longo prazo, até encontrar uma oferta ideal, que comporte à realidade financeira da empresa.

O segundo e não menos importante motivo para reorganizar as dívidas são os tributos. Muitas vezes as questões são tratadas por profissionais da área de finanças e contabilidade com terrorismo desproporcional. Porém, embora existam algumas espécies tributárias que mereçam mais atenção, sempre existem programas do governo para pagamento, muitas vezes com desconto, como ocorreu neste ano diante de tantas empresas endividadas.

Fazer com que a sua empresa chegue até o cliente e não o contrário

Hoje a dificuldade é manter a qualidade do serviço, mesmo diante da queda de receita. Para que atinjam resultados satisfatórios, muitas empresas precisam compreender como o mercado está reagindo. É sempre indicado que a empresa faça uma pesquisa de satisfação com os clientes, para saber quais as dificuldades e o que poderia facilitar o acesso aos produtos e serviços.

Uma ferramenta fundamental é a internet. Seria ótimo que o seu cliente soubesse mais sobre o seu produto e os seus diferenciais. Por mais óbvio que isso possa parecer, a grande maioria das empresas dispõem de informações inacessíveis em suas mídias sociais, como se estivesse “falando para ela mesma”. Pois bem, é exatamente assim que o Google, por exemplo, seleciona quem ficará em sua primeira página – aquele que atende às necessidades de quem está procurando por um serviço online.

O Brasil é o país do empreendedorismo, porém não basta abrir uma empresa familiar e achar que tudo vai dar certo, é preciso estudar, se profissionalizar e estar cercado dos profissionais certos para seu negócio alavancar, mesmo em cenários de crise. O que diferencia uma empresa da outra são os detalhes.


marcelo-segredoConsultor financeiro, palestrante, ex-presidente da ONG ABC (Associação Brasileira do Consumidor), criador da “Clínica Financeira” e “Casamento & Negócios”, diretor presidente da Marcelo Segredo Assessoria Empresarial
Fone: 3360-2902
site: www.marcelosegredo.com.br
e-mail: marcelo@marcelosegredo.com.br



Topo