Marcelo Segredo

Marcelo Segredo | Juros Abusivos no Cartão De Crédito

O mocinho que virou vilão. Sim, o cartão de crédito continua sendo o grande vilão das finanças das famílias brasileiras. Segundo estudo da Fecomercio divulgado em dezembro de 2018, 77% das dívidas dos brasileiros estão relacionadas aos cartões de créditos.

Todos nós estamos suscetíveis a surpresas financeiras, e a maioria das pessoas não estão preparadas para elas, não fomos educados para isso. Aproveitando-se dessas situações, do outro lado nos deparamos com o famigerado sistema bancário, que cobra juros abusivos de mais de 17% ao mês nos cartões. Ou seja, se hoje você tiver uma dívida de R$ 10 mil no cartão, em apenas 12 meses estará devendo mais de R$ 77 mil.

Ou seja, de um lado temos pessoas não habilitadas para lidar com finanças, tampouco com linhas de crédito, bem como uma economia totalmente instável; do outro lado há um sistema bancário especulatório praticando juros abusivos com o aval do Banco Central, o qual é manipulado como marionete pelos principais bancos brasileiros.

Como são compostos os juros cobrados do devedor?

Considerado o exemplo acima de 17% de juros ao mês, dentro desses juros existe uma margem de proteção contra inadimplência de 39,95%. Traduzindo: dos 17% mensais cobrados, 6,79% de juros já é a proteção contra o calote. É isso mesmo, o banco nunca perde dinheiro.

 Deduzindo sua dívida do imposto de renda

Não sei se você sabe, mas nenhuma empresa paga imposto sobre prejuízos. Seguindo essa linha de raciocínio, você contrai uma dívida de R$ 10 mil no cartão de crédito que totaliza R$ 77 mil se você ficar um ano sem pagar essa dívida. No ano fiscal seguinte, o banco irá declarar para a Receita Federal que teve um prejuízo de R$ 216 mil, recuperando mais de R$ 56 mil, só que em dedução de imposto de renda. Vamos abrir um banco?

Devo parcelar a fatura do cartão?

Nem que a vaca tussa.

O brasileiro preza demais por manter seu nome limpo na praça; para isso comete loucuras financeiras, dentre elas o parcelamento da fatura do cartão. Mesmo oferecendo juros menores (7% ao mês, em média) no parcelamento, essa opção é péssima, já que mais juros serão agregados à sua dívida. É assim que as dívidas triplicam, e aí você fica se perguntando: “Meu Deus, onde foi que eu gastei tudo isso?”.

E tem mais. Considerando que 90% das restrições de nomes são feitas de forma ilegal, saiba que existem recursos para tirar a restrição do seu nome enquanto a dívida é negociada.

Judiciário aprova taxa média de juros

Diante de tanta arbitrariedade por parte dos bancos cobrando juros abusivos e restrição ilegal de nome, o Judiciário tem entendido que os cartões de crédito devem cobrar a taxa média de juros do mercado, que no caso dos cartões está perto de 10% ao mês.

Recalculando a dívida inicial de R$ 10 mil, com juros de 10% ao mês, teremos após um ano uma dívida de R$ 34.625,00, e não o dobro da dívida, como eles vêm cobrando.

O que devo fazer, então?

Pare de pagar juros abusivos, não parcele sua fatura e procure ajuda especializada. Enquanto negociamos a sua dívida, faremos a sua gestão financeira, te ajudando a fazer sobrar dinheiro, a organizar sua vida. O que você estava pagando de juros, nós estaremos investindo. Isso mesmo! De devedor, você vai virar um investidor e quitaremos a dívida do seu cartão à vista, com descontos de até 95%. Sua dívida será quitada e você ainda ficará com dinheiro no bolso. Milagre!! Não, conhecimento e aplicação prática, colocando o dinheiro para trabalhar a seu favor.

 


marcelo-segredo

Consultor financeiro, palestrante, ex-presidente da ONG ABC (Associação Brasileira do Consumidor), criador da “Clínica Financeira” e “Casamento & Negócios”, diretor presidente da Marcelo Segredo Assessoria Empresarial Fone: 3360-2902 site: www.marcelosegredo.com.br e-mail: marcelo@marcelosegredo.com



Topo