Marcelo Segredo

Marcelo Segredo | Material escolar sobe acima da inflação

Filhos devem ir junto e participar das compras

Os pais devem desembolsar, em média, 10% a mais na hora de comprar o material escolar para a volta às aulas deste ano. A estimativa é da Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae).

O aumento é 2,6 vezes a inflação registrada ano passado. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA-15, prévia do índice oficial, encerrou 2018 com alta de 3,86%. A correção ocorre em função do aumento do preço de matérias-primas importantes, como o papel e o plástico, e da flutuação do dólar ao longo de 2018, que impacta nos materiais escolares importados. No ano passado, a moeda norte-americana subiu 16,9%.

Porém, pais precavidos têm conseguido economizar, bastante. A consumidora Nara Ribeiro, por exemplo, conseguiu comprar a mesma marca e quantidade de cadernos do ano passado ainda mais baratos nesse ano. Ela recomenda que os pais ficam atentos e anúncios e promoções.

A equipe da Associação Brasileira do Consumidor foi a campo e detectou que tem material escolar com diferença de preços superiores a 100% entre as lojas, a exemplo do lápis preto. Portanto, pesquisa é fundamental, e tudo pode ser feito pela internet.

Leve seu filho junto comprar material escolar

Nessa época do ano, as lojas criam corredores e departamentos exclusivos para materiais escolares, colocando ao alcance dos olhos e das mãos das crianças materiais escolares e acessórios supérfluos e mais caros, bem como balas, chocolates, entre outros. Os preferidos da garotada são aqueles com os personagens do momento e adesivos, os quais obviamente são muito mais caros (50% em média) e devem ser evitados, pois as crianças ficam fascinadas. Enquanto 90% dos educadores financeiros orientam os pais a deixarem seus filhos em casa, oriento para que os filhos não só acompanhem, como também participem do processo de pesquisa de preços. Crianças adoram desafios e recompensas também, é claro. Mas essa é uma excelente oportunidade para introduzir educação e inteligência financeira nas crianças.

Compre livros nos sebos

Sim, os sebos devem fazer parte da rotina de pais e filhos na compra de livros didáticos (livro de matérias específicas) e paradidáticos (histórias). A maioria dos livros paradidáticos podem ser encontrados nos sebos, e o preço médio varia entre R$ 15 e R$ 20, enquanto um novo nas livrarias chega a custar o triplo disso. Nara Ribeiro tem esse habito, e só nesse ano a economia passou de R$ 250.

Livros Didáticos requerem um cuidado maior, pois devem ser comprados com base no Código ISBN. A consumidora conseguiu um livro didático de espanhol em excelente estado por R$ 60, enquanto um novo na livraria é vendido a R$ 139.

Pais usam redes sociais para trocar e vender livros e materiais diversos

No Facebook também é possível encontrar e participar de grupos de desapegos de material escolar e até mesmo uniformes, mochilas e estojos, como por exemplo o “Desapego Isaac Newton”, criado por pais de alunos do colégio localizado aqui na zona norte.

Escolas particulares fazem exigências ilegais

O setor de ensino privado é regulado pela Lei 8.974 de 1999. Mesmo assim, ainda é comum algumas escolas ignorarem essa lei e exigir que os pais comprem materiais de limpeza, de higiene, entre outros, bem como reter histórico escolar em casos de inadimplência.

Os pais que se sentirem lesados devem registrar reclamação por escrito junto a delegacia de ensino da região, como também podem enviar sua queixa para a Associação Brasileira do Consumidor no e-mail [email protected].

 


marcelo-segredoConsultor financeiro, palestrante, ex-presidente da ONG ABC (Associação Brasileira do Consumidor), criador da “Clínica Financeira” e “Casamento & Negócios”, diretor presidente da Marcelo Segredo Assessoria Empresarial
Fone: 3360-2902
site: www.marcelosegredo.com.br
e-mail: [email protected]



Topo