Meditação: a arte de expandir o amor

0
1710

O coração é fonte de compaixão e amor incondicional. A boa notícia é que podemos desenvolver essas virtudes também por meio da meditação.

A Meditação do Coração é uma técnica milenar que tem se espalhado por várias partes do mundo. Aqui na Zona Norte, um pequeno grupo deu início à técnica em maio de 2016, e em apenas dois anos já conquistou inúmeros adeptos.

Em um espaço holístico no bairro do Mandaqui, a terapeuta de reiki, Hilda Akamine, começou esse projeto com um grupo de apenas seis pessoas. Aos poucos, com a chegada de novos praticantes, o espaço ficou pequeno. Hilda, então, procurou a coordenação do Parque Estadual Horto Florestal e conseguiu incluir a Meditação do Coração na programação de atividades do antigo Clube do Tiro.

Atualmente o grupo é coordenado pela psicóloga Sandra Ribeiro, que realiza os encontros todas as terças-feiras, às 9h.

A meditação que conecta ao coração

Sandra explica que a Meditação do Coração é uma técnica de meditação ativa que renova a energia através de movimentos em direção aos quatro pontos cardeais, deixando os praticantes mais sensíveis e amorosos. No momento em que são preenchidos com essa energia, há o desejo de querer compartilhar com os outros, pois há um transbordamento desse amor.

É uma meditação em movimentos suaves, como numa dança. A técnica nos ensina a ter consciência dos sentimentos reprimidos e inicia a harmonização e equilíbrio em nosso corpo. “O foco consiste no amor incondicional, ou seja, não temos que emitir amor apenas às pessoas que a merecem, nem incluir somente amigos ou humanos; pode ser dirigido a todos os seres e sobretudo, sem esperar nada em troca”, explica Sandra.

A prática

A meditação é feita de olhos abertos, acompanhando o movimento de expansão das mãos; as mãos têm uma conexão direta com o coração.

A técnica consiste em posicionar a mão direita sobre o coração e sentir os batimentos cardíacos. Ao inspirar, é recomendável sentir que está recebendo as coisas boas do mundo ao seu redor.

Na expiração, a dica é enviar sentimentos bons, como paz e amor para todas as partes do seu próprio corpo e para tudo que o rodeia.

O exercício deve ser repetido várias vezes, tentando respirar cada vez mais profundamente. À medida que vai inspirando e expirando, a pessoa sente que a sua energia é cada vez maior e que as coisas boas chegam cada vez mais longe. A intenção é exatamente essa: enviar amor e positividade ao mundo lá fora.

Quando o chakra cardíaco está aberto, todas as energias fluem livremente. Os bloqueios internos deixam de existir e a pessoa sente-se profundamente unida a si mesma e a todos os outros seres. A fragilidade ou o medo de ser rejeitado, por exemplo, tendem a desaparecer.

Essa meditação dura cerca de uma hora e é praticada inicialmente de pé, ao som de uma música, e na última fase – cerca de 20 minutos, é feita em silêncio e total imobilidade, sentado ou deitado.

Hoje existem centenas de técnicas de meditação e cada um deve descobrir a que melhor combina com seu estilo de vida e a que produz melhores resultados. O importante é ter disciplina e ritmo – praticar constantemente, porque assim vamos criando um campo à nossa volta que nos ajuda a encontrar o centro rapidamente quando precisamos, sem entrar nas emoções.

Quem quiser conhecer a Meditação do Coração pode assistir a um dos encontros que acontecem semanalmente no Clube do Tiro. A participação é gratuita. Sandra também ministra aulas particulares no bairro da Casa Verde.

Informações

Meditação do Coração

Polo Ecocultural Pedra Branca (antigo Clube Paulistano de Tiro) – Av. Santa Inês, 3.321

Encontros: terças-feiras, às 9h.

Informações e grupo no WhatsApp: 99741-6435