Tecnologia e Games

Microsoft lança versão leve do Windows e novo laptop

 

Você provavelmente, ao ler essa matéria no site do SP Norte, está lendo em um sistema operacional Windows. Para escrevê-la, foi feita no bom e velho Word. Os dois produtos são da Microsoft, marca onipresente em nosso dia a dia envoltos em notebooks e computadores.

Você talvez esteja lendo essa matéria em algum sistema Windows – espero que não seja no antigo Windows XP ou no famigerado Windows Vista. De tão rotineiro, esquecemos que a empresa fundada por Steve Jobs é cheia de outras coisas. Algumas, nos últimos anos, um fracasso, como o Windows Phone. Por outro lado, o inconteste sucesso do console de jogos X Box.

Mas, nos últimos anos, a gigante está correndo atrás do prejuízo – especialmente depois da Apple dominar o cenário, com seus já conhecidos computadores Mac e o domínio do iPhone. Nesse sentido, a Microsoft foi além de ser fabricante de software – pacote Office e o próprio Windows – para aventurar-se no hardware – como a Apple e outras fazem há anos.

E tem obtido sucesso – ou, pelo menos, reconhecimento. O lançamento dos tablets Surface deram gás à empresa, ainda que não sejam sucesso de vendas. Depois, o Surface Book: um elegante dispositivo com tela removível. Veio, ainda, o Surface Studio: um computador de mesa voltado a profissionais – e uma gigante tela touch. Desta vez, o lançamento do Surface Laptop na última terça-feira (2/5) confirma que a Microsoft quer mesmo recuperar o tempo perdido.

O novo notebook da empresa segue a linha dos primeiros lançamentos: estão lá o design refinado dos Surfaces em metal e até uma espécie de tecido – o mesmo que reveste os teclados removíveis dos tablets da empresa. Um equipamento tão belo quanto os minimalistas aparelhos – e, um tanto cansados – os dispositivos Apple. O frescor de novidade faz bem para os lados da Microsoft.

Porém, o lançamento mais interessante do dia foi o Windows 10 S. Enquanto na Apple o “S” significa algo “superior”, na Microsoft é ao contrário – depende do ponto de vista: o novo sistema é uma “cópia” do Windows 10 comum, mas é totalmente limpo. Ou seja: esqueça outros aplicativos. Neste, só aqueles disponíveis na loja da empresa – que melhorou nos últimos anos – e, claro, toda a gama de softwares (ou aplicativos) que a empresa dispõe (e que a maioria de nós usamos, como o Word e o Excel).

De acordo com a Microsoft, o sistema “limpo” é destinado a estudantes e escolas. Isso é uma mão na roda para esses estabelecimentos, já que terão equipamentos padronizados. A memória é mais ágil, já que os programas são “nativos”; a segurança aumenta, já que os aplicativos não serão baixados de outras fontes “estranhas”. Por outro lado, esqueça o navegador mais utilizado: o Google Chrome ainda (!) não está na Microsoft Store, e você terá que usar o Edge (um Internet Explorer visualmente refinado, mas igualmente “bugado”).

Para os americanos, será possível dar um upgrade na máquina, caso o sistema 10 S se torne sufocante: gratuito para estudantes e 49 dólares para quem não for.

Agora, você deve estar pensando: e o Brasil? É, leitor, isso mesmo: nada, pelo menos por enquanto. Lançado em 2012, o tablet Surface nunca desembarcou aqui. A partir daí você já pode ter uma ideia… Nos resta fazer análises como esta e ver o que uma das empresas mais populares da história prepara para manter-se atualizada:



Topo