Saúde

Mitos e verdades sobre os efeitos da vacinação

A volta do Sarampo assustou quem mora na cidade de São Paulo, pois concentra o maior número de casos do Estado. Entretanto, mesmo com o risco da doença, muitas pessoas preferem ficar sem tomar vacina por conta de supostos riscos que a vacinação causa no organismo.

Para esclarecer de uma vez por todas, a dra. Ana Paula Moschione Castro, especialista em Alergia e Imunologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), irá esclarecer os mitos em torno da vacinação:

1- Vacinas causam autismo.

MITO! E um mito bem perigoso. Estudos científicos foram realizados e não mostraram essa relação do espectro do transtorno autista e vacinas. Esse boato vem gerando uma onda anti-vacinas perigosa, que traz consequências muito ruins, como é o caso da epidemia de sarampo que estamos acompanhando no momento.

2- Somente as crianças devem ser vacinadas.

MITO! Os adultos também devem se vacinar. É muito importante a vacinação contra o tétano, a febre amarela. E hoje ainda temos à disposição para os adultos vacinas contra a herpes zoster, hepatite A e B, ou seja, uma série de imunizações à disposição que devem ser tomadas pelos adultos.

3- Vacinas podem ter contraindicações.

VERDADE! Aqui vale o conceito de vacinar, para estimular o sistema imunológico a criar uma resposta de defesa contra um agente nocivo. Existem dois grupos de contraindicação: aqueles pacientes que não pode receber microrganismos vivos, que são as vacinas atenuadas (febre amarela, herpes zoster, sarampo e rubéola) estão contraindicadas. O outro grupo são de pacientes que apresentaram reações alérgicas graves contra a vacina.

4- Sempre que me vacino contra a gripe fico gripada.

Mito! A vacina contra a gripe não causa a gripe, pois é uma vacina inativada e indicada para proteger somente contra um tipo de gripe, que é a influenza. Na época do inverno existem outros vírus, como o rinovírus, que levam a quadros parecidos com gripes, mas não são.

5- Quem está com febre não pode se vacinar.

EM PARTE! Ainda que a febre não seja uma contraindicação à vacina, podemos ter dois desdobramentos quando se vacina uma criança com febre: não sabemos se o pico de febre está relacionado à vacina ou ao pico infeccioso, e os médicos esperam nos quadros altos de febre, com duração de três a quatro dias, que a febre passe. Causas não conhecidas de febre também pode ser uma contraindicação. Melhor aguardar a criança melhorar.

 6- Alérgicos não devem se vacinar.

MITO! Pacientes alérgicos se beneficiam de vacinas contra a gripe e contra pneumococo. O que precisa é ter cuidado – a algum componente que está presente na vacina que desencadeia a reação alérgica, como o ovo, por exemplo. Ou se o paciente teve uma reação alérgica grave específica à aquela vacina. Mesmo pacientes com alergia à proteína do ovo, as vacinas contra a gripe e sarampo são liberadas.

7- Vacina é perigoso para idoso.

MITO! Muitos estudos já comprovam que vacinar idosos contra a gripe e pneumonia melhora demais a qualidade de vida desses pacientes e reduz a mortalidade. Vacinar-se contra o tétano é fundamental, a vacina de herpes zoster também é muito importante, já que minimiza uma grande complicação que é a neurite herpética, ou seja, o paciente que deseja longevidade precisa ter a carteira de vacinação em dia.

8- Toda vacina dá reação.

EM PARTE! As vacinas são extremamente seguras. As reações mais comuns acontecem em até 10% dos vacinados, com dor local e febre, que passa em um a dois dias. A maioria não apresenta reação. Mas sempre é aconselhável suas dúvidas com o seu médico.

9 – Já me vacinei contra o sarampo e não preciso mais tomar nova dose.

Infelizmente, estamos vivendo uma epidemia de sarampo. Um aumento gigantesco no número de casos. Ainda que você tenha recebido as duas doses da vacina contra o sarampo depois de um ano de idade, é necessário receber uma terceira dose caso haja alguém com a doença no seu trabalho, condomínio, escola, ou seja, perto do seu convívio. Essa aplicação a mais é chamada de dose de bloqueio.



Topo