Turismo

Museu do Café: no cais de Santos, o aroma está no ar

“A preta-velha escrava contou
E eu mergulhei no tempo
Sou a semente e virei ouro […]”

Este texto poderia fazer parte da coluna de Gastronomia. Afinal, neste sábado (14/4) é comemorado o Dia Nacional do Café. Mas a bebida que encanta paladares – e deixa muitos jornalistas, como este que escreve, “ligadões” – tem um lugar para chamar de seu. É o Museu do Café, localizado na praiana Santos.

Vista da Torre do Relógio (foto: Gino Pasquato)

Considerado um dos principais pontos turísticos da cidade, o Museu do Café foi inaugurado em 1998. Porém, sua história é muito mais antiga: era naqueles salões que ficava a antiga Bolsa Oficial do Café, dos idos de 1922. Para virar um Museu, o lugar padeceu: a bolsa já não operava por lá desde a década de 1960, e a torre chegou a ter ameaças de queda (com o perdão do trocadilho) em 1996. Foi daí que surgiu a ideia de criar um museu que guardasse a história de um dos marcos mais importantes do país.

O imponente prédio, que combina estilos neoclássico e barroco, é tombado pelo patrimônio histórico. Na entrada, um vitral com o brasão que ainda representava os “Estados Unidos do Brasil”. O salão principal, onde era realizado o pregão das negociações de sacas de café, é ornamentado com três pinturas do paulista Benedicto Calixto.

Salão do Pregão (foto: Victor Hugo Mori)

Uma das curiosidades do lugar é uma lenda. Dizia-se que Jacinto – não se sabe se era um português ou um participante de concurso de força, valendo-lhe o apelido de “sansão do cais” – conseguiu empilhar cinco sacas de 60 kg nas costas. Ou seja, 300 kg, quando o máximo suportado seria de 120 kg. Cartões postais da época estamparam sua imagem, ainda nos primeiros anos do século XX.

Quem visita o Museu do Café encontra uma programação variada de exposições, que disseminam a cultura cafeeira por meio de mostras, acervos e cursos de barista. As atividades, imagens, vídeos e multimídias exploram o sagrado grão, que desperta sensações, evoca lembranças e aguça o paladar.

E é claro que um lugar que fala de café tem seus momentos de degustação. O Museu tem uma cafeteria exclusiva. Todos aos sábados e domingos há experimentação de café gourmet, e os participantes aprendem as características de cada tipo de grão. Os variados tipos de café, de várias regiões do Brasil, também estão disponíveis para venda.

De fato, uma identidade nacional, do nosso solo sagrado às mãos de quem planta e colhe, trazendo consigo a força e a energia que inebria o olfato e o paladar. “Eu sou o tal… Café! / Só não toma quem não quer!”, diz o samba campeão da X-9 Paulistana no já longe ano 2000, cujos versos da obra também abrem essa matéria.

Informações

Endereço: Rua XV de Novembro, 95 – Centro Histórico – Santos

Site: museudocafe.org.br

Telefone: (13) 3213-1750

Ingressos: R$ 10 (grátis aos sábados, funcionários da rede pública estadual são isentos), R$ 5 (estudantes e terceira idade)

Horário de funcionamento: terça-feira a sábado, das 9h às 17h; domingos, das 10h às 17h

 

foto (topo): Divulgação/Site oficial Museu do Café



Topo