Saúde

Narguilé: uma moda perigosa

No final do mês de junho saiu a notícia de que um jovem de 21 anos morreu devido o hábito de fumar narguilé. Relatos de amigos contam que Kevin Albuquerque passou mal após uma festa e foi levado ao hospital. Lá ele realizou exames, fez medicação, mas acabou sofrendo uma parada cardiorrespiratória.

O jovem não foi a primeira vítima desse hábito que causa tão mal à saúde. O uso do narguilé ocorre em festas de jovens em grande parte do Brasil, onde eles dividem o bocal do aparelho e ficam conversando, fumando e, por vezes, ingerindo bebidas alcoólicas.

A diferença entre o cigarro e o narguilé é seu tabaco, que possui melaço, glicerina e essências de fruta, deixando o sabor da fumaça mais doce. Mas a diferença não para o sabor. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o INCA (Instituto Nacional do Câncer), uma roda de 20 a 60 minutos inalando a fumaça do narguilé equivale a fumar 100 cigarros.

Além desse mal, o Ministério da Saúde mostrou que o uso do tabaco foi responsável por 156.216 mortes no Brasil em 2015. A pesquisa alerta que as mulheres que fumam perdem, em média, 6,7 anos de vida, e os homens, 6,1 anos.

Para evitar que esse hábito se torne um problema social, é importante fazer uma política de conscientização relacionada ao seu uso. Algo semelhante foi feito com cigarro, não é a toa que o hábito de fumar caiu 36% entre os brasileiros nos últimos 10 anos. Parar de fumar é fundamental para um vida mais saudável e longa.

Foto: SSRJ/Divulgação



Topo