Histórias

O Vigilante Rodoviário: 1º seriado da TV brasileira foi escrito na ZN

No dia 23 de julho foi comemorado o Dia da Polícia Rodoviária. E em homenagem a esse profissional tão importante, o Gente que Faz desta semana é sobre a série que fez tanto sucesso nos anos 1960: “O Vigilante Rodoviário”, que traz a história do Inspetor Carlos e o cão Lobo, dupla imbatível que lutava contra o crime, a bordo de uma motocicleta Harley-Davidson 1952 e de um Simca Chambord 1959.

Orgulho para a Zona Norte

O Vigilante Rodoviário nos traz muitos motivos de orgulho: foi o primeiro seriado de televisão não somente do Brasil, mas de toda a América Latina. A partir de então, o Brasil entra para a história e passa a figurar como o quarto país no mundo a produzir filmes em série.

Outro fato que nos orgulha, é que o criador e diretor do seriado, o cineasta Ary Fernandes (1931-2010), nasceu, cresceu e permaneceu durante toda a sua vida exatamente aqui, na Zona Norte. E foi numa das ruas do bairro de Santana que o seriado Vigilante Rodoviário nasceu das mãos e do talento respeitável de Ary Fernandes, que em 1968 mudou-se para o Jardim França, onde continuou a criar novos seriados para a TV e filmes de longa-metragem para as salas de cinema.

Em entrevista com o publicitário Fernando Fernandes, primogênito de Ary, conhecemos um pouco da vida deste brilhante cineasta brasileiro. “Lembro-me que quando eu e a minha irmã, Vânia, éramos pequenos, víamos nosso pai todas as noites na mesa da sala, debruçado sobre a máquina de escrever. Nós íamos dormir e o nosso pai permanecia ali, com a garrafa de café e o cigarro. Eram durante as horas da madrugada que nasciam as obras cinematográficas”, relembra Fernando.

A série

Fernando nos conta que a criação da série foi a realização de um antigo sonho de seu pai. “Ele sempre sentiu falta de um herói 100% brasileiro; e como sempre viajava pelas estradas, surgiu a ideia de criar um personagem na figura de um policial rodoviário, de caráter simpático cujo intuito não era somente autuar os motoristas, mas que este fosse principalmente um amigo das estradas a quem todos pudessem recorrer”, explica. Nascia então, o Inspetor Carlos – interpretado por Carlos Miranda, que contava com a ajuda do parceiro Lobo, um cão de médio porte, que o acompanhava em suas aventuras na garupa da Harley-Davidson.

O Vigilante Rodoviário foi o primeiro seriado filmado em película de cinema no Brasil. No total foram 38 episódios, em sua maioria gravados na Rodovia Anhanguera. Foi ao ar pela primeira vez em 3 de janeiro de 1962, na Tupi Canal 4, patrocinado pela Nestlé do Brasil.

No ano seguinte, Ary Fernandes recebeu o Troféu Roquete Pinto, prêmio mais importante da TV brasileira, pelo seriado Vigilante Rodoviário como o de “Melhor Filme de Televisão – Série de 1962”.

O seriado foi reexibido durante as décadas de 1960 e 1970 pelas TVs Tupi e Globo.

O criador

Filho de imigrantes espanhóis e portugueses, Ary Fernandes (1931-2010) nasceu em Santana e passou toda sua vida na Zona Norte. Foi dramaturgo, ator, locutor, produtor, roteirista, compositor e cineasta com mais de 124 filmes sob sua direção e produção.

Vanguardista em filmes em território nacional e internacional, pode-se dizer que foi um dos maiores cineastas brasileiros, não apenas pela filmografia como por toda uma história que nos representa, sendo pioneiro dos filmes em séries na América Latina. Com certeza, um grande marco para a história da televisão brasileira.

Para saber mais sobre a história, a série e filmografia do cineasta, visite o site www.vigilanterodoviario.com.br.

Zona Norte: luz, câmera e ação

A região tem tradição na área de cinema e TV. O Jaçanã foi berço de uma das primeiras produtoras cinematográficas do país, a Companhia Cinematografica Maristela, que ficava perto daquela estação de trem do Jaçanã que Adoniran Barbosa se inspirava. Na Vila Guilherme, o SBT fez da região sua morada em duas oportunidades, em dois estúdios diferentes. Clique nos destaques e conheça todas essas histórias!

O Vigilante Rodoviário: 1º seriado da TV brasileira foi escrito na ZN


Topo