São Paulo

Plano de segurança viária conta com a participação da população

Segundo dados da CET, em 2017 foram registrados 13.483 acidentes na capital, sendo que a ocorrência mais frequente é a colisão (57,2%), seguida pelos atropelamentos (24%). A taxa de mortalidade resultante dos acidentes de trânsito em 2017 foi de 6,56 mortes para cada 100 mil habitantes.

Enquanto as autoridades devem ser responsáveis pela concepção e construção de sistemas que levam em conta o erro humano, os usuários devem ser responsáveis pelo cumprimento das leis e regulamentos de trânsito. Um sistema seguro garante que as políticas de segurança viária sejam completas e inclusivas, o que significa olhar para todos os componentes do sistema viário e de transporte.

Vida Segura: políticas públicas para a redução de acidentes e mortes no trânsito

O Vida Segura, novo plano de segurança viária elaborado pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT), promete nortear a execução de políticas públicas para a redução de ocorrências graves e mortes no trânsito. Após a implantação, a SMT calcula que 2.734 vidas serão salvas até 2028.

foto: Bruno Viterbo

O novo plano é baseado no Visão Zero, que parte da premissa de que nenhuma morte é aceitável no trânsito. Criado na Suécia em 1997, esse conceito já é usado como referência para planos de segurança viária de longo prazo em cidades como Nova Iorque, Cidade do México, Bogotá e, agora, São Paulo.

O Vida Segura inclui ações já em desenvolvimento como os programas Pedestre Seguro, Marginal Segura, M’Boi Segura, Celso Garcia Segura, Ruas Completas, controle da velocidade dos ônibus em 50 km por hora, Sexta sem Carro e Áreas Calmas.

Audiências públicas nas subprefeituras

A Prefeitura deu início na última terça-feira (30/10), a uma série de audiências públicas nas 32 subprefeituras para apresentar a proposta do Vida Segura.

Segundo a SMT, as audiências públicas servirão como um canal de diálogo com a população, que poderá contribuir com sugestões para aprimorar a segurança viária em sua região. As audiências serão realizadas à noite, para que a maior parte das pessoas possa participar das discussões.

Nos encontros também serão apresentados um panorama das ocorrências, atropelamentos e mortes de cada subprefeitura, além de um diagnóstico comportamental em relação à segurança na mobilidade e ações que podem ser implementadas.

Por outro lado, de acordo com pasta, as ações também refletem na política de conscientização da população sobre a importância de se respeitar as leis de trânsito para que se tenha um ambiente cada vez mais seguro para pedestres, ciclistas, motoristas e meios de transporte utilizados na cidade.

As ações foram delineadas junto a São Paulo Transporte (SPTrans), a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o Departamento de Operação do Sistema Viário (DSV) e o Departamento de Transportes Públicos (DTP), além de diversos outros órgãos e secretarias da administração pública municipal.

A versão final do plano Vida Segura será concluída apenas após a consolidação das contribuições da população.

Plataforma de transparência

A SMT lançou em setembro, uma nova plataforma para a visualização de dados relacionados a ocorrências de trânsito na cidade de São Paulo. A ferramenta Vida Segura pode ser acessada e já é utilizada pela CET para análise de pontos críticos na cidade e para nortear o planejamento de ações para proteção à vida e redução de ocorrências.

Confira o calendário das audiências na Zona Norte:

7/11, às 19h: Freguesia/Brasilândia

28/11, às 19h: Santana/Tucuruvi

10/12, às 19h: Jaçanã/Tremembé

11/12, às 19h: Perus

12/12, às 19h: Pirituba

13/12, às 19h: Vila Maria/Vila Guilherme

*Em Casa Verde/Cachoeirinha, a audiência que seria realizada em 31/10, foi cancelada. Uma nova data será divulgada em breve.

foto (topo): Luiz França/Câmara SP



Topo