Postos de saúde de São Paulo têm listas de espera para sobras da vacina contra Covid-19

0
58

Postos de saúde da cidade de São Paulo organizaram filas de espera com pessoas que querem receber a vacina contra a Covid-19 e que não fazem parte dos grupos prioritários. Para estes casos, a Prefeitura orienta o uso em maiores de 60 anos de idade.

O secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, informou que os idosos com mais de 60 anos podem procurar as unidades de saúde,  pois os postos estão “fazendo uma lista de espera, para que, ao final do dia, caso haja aquelas doses que ficam remanescentes, nós chamamos os idosos para que eles possam ter a vacinação”.

A secretaria da Saúde disse que “cada UBS compila a sua lista utilizando a própria base de dados” e que, nas UBSs onde a procura for alta, “o interessado pode acessar a unidade por telefone e deixar os seus dados para a inclusão na lista”.

A ordem de inscrição na lista de espera será priorizada no atendimento

A Prefeitura de São Paulo orienta a distribuir eventuais sobras de vacinas para pessoas com mais de 60 anos, pessoas com comorbidades ou profissionais de saúde.

“Se a unidade de saúde se encontrar com um frasco de vacina aberto, para que não haja qualquer desperdício de dose, está autorizada a aplicação a um profissional de saúde, idosos moradores da região da unidade de saúde e, em não havendo essas categorias, partir para pessoas com comorbidades”, diz a orientação oficial.

Se ainda assim o posto de saúde não encontrar nenhuma pessoa dentro dessas categorias para receber a vacina no fim do expediente, o local pode “vacinar qualquer pessoa dos demais grupos prioritários elencados pelos informes técnicos Programa Nacional de Imunização (PNI)”

 

Veja a nota da Secretaria Municipal da Saúde:

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), informa que caso sejam registradas sobras de doses nos centros-escola e nos postos drive-thru, no final do período de atendimento, elas devem ser encaminhadas para a UBS de referência. Todas as doses excedentes serão ministradas no final do expediente de cada unidade.

Em relação ao cadastro para a aplicação da sobra de doses, cada UBS compila a sua lista utilizando a própria base de dados. Nas UBSs onde a procura pelos excedentes é alta, o interessado pode acessar a unidade por telefone e deixar os seus dados para a inclusão na lista. Nestes casos, a ordem de inscrição será priorizada no atendimento.

A Pasta também informa que não tem registros e nem denúncias de que estão sendo chamados primeiro conhecidos e amigos de funcionários do sistema de saúde. E acrescenta que não há como mensurar em números a aplicação das sobras, uma vez que o registro não faz distinção de dose normal e dose remanescente.

A SMS informa que observa as regras do instrutivo para priorização das doses da vacina contra a Covid-19 para o município de São Paulo.

No caso do serviço de Saúde, quando houver frasco de vacina aberto no fim do expediente, para que não haja qualquer desperdício de dose, está autorizada a aplicação a idosos (acima de 60 anos) e profissional de Saúde morador do território da unidade de saúde. A unidade deverá manter listas de espera com os usuários elegíveis em sua área de abrangência com telefones para convocação deste público e, neste momento, estão sendo priorizados os grupos que já estão em vigência na campanha.

Caso a UBS/Unidade tenha dificuldade em destinar essas últimas doses, entrar em contato imediatamente com a Supervisão Técnica de Saúde de sua região, para apoio no direcionamento e utilização destas doses. Importante: não desprezar nenhuma dose viável de vacina.

Nem sempre há doses excedentes nas Unidades. Por isso, nem todas as Unidades têm doses para liberar ao término do expediente. Não há desperdício de vacina nas Unidades de Saúde da capital, tendo em vista a orientação de que toda dose viável deve ser utilizada. Sobre a garantia da segunda dose, da mesma maneira que recebeu a primeira, independente de ser na dose remanescente, o selecionado terá o mesmo direito de receber a segunda – não há essa distinção na anotação do comprovante entregue à pessoa.