Prefeitura e Metrô de São Paulo lançam campanha contra preconceito à pessoa idosa

0

Os usuários do Metrô de São Paulo vão notar nos próximos dias a veiculação de vídeos na TV Minuto, que fica dentro dos vagões e nas estações e a presença de cartazes nas áreas de circulação com conteúdo que reforça a autoestima das pessoas idosas.

A Campanha Sou Mais Sessenta é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania e do Metrô, em conjunto com a USP60+ e outros importantes parceiros da Sociedade Civil Organizada. A partir do dia primeiro de dezembro, múltiplas ações de combate ao idadismo – o preconceito contra pessoas idosas. Serão usados avisos sonoros de estações e trens, televisores nas plataformas e dentro das composições, além de redes sociais.

O objetivo é mostrar que o metrô, que possibilita o encontro diário de diversas gerações, é contra esse e todos os demais preconceitos.

A campanha #SouMaisSessenta apresenta por meio de cartazes fixados na Estação Sumaré do Metrô paulista, histórias de vida de pessoas socialmente ativas e que contribuem com a sociedade em vários aspectos, são exemplos de superação, de amor ao próximo, generosidade, objetividade e de alegria de viver.

Para a coordenadora de Políticas para a Pessoa Idosa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Sandra Regina Gomes, a ação é um importante passo na construção de políticas públicas feitas para quebrar estigmas negativos que recaem sobre a população 60+.

“É muito importante que todos saibamos que o envelhecimento é um processo natural e viver mais e melhor é um direito. Com essa campanha chamaremos a atenção para a valorização das pessoas idosas para que sintam orgulho da idade que tem e reforçar que não podemos negar todo o passado construído que faz parte da nossa história. Vamos lutar por um envelhecimento digno e por uma sociedade para todas as idades”, afirma Sandra.

“Uma parcela de 15% da população de São Paulo é formada por pessoas com mais de 60 anos e este índice tende a dobrar em 30 anos. Tratar bem os idosos, não só no transporte, mas em todo o espaço urbano é, além de uma questão de direitos, uma ação crucial para uma São Paulo inclusiva e economicamente ativa, diz Cláudia Carletto, secretária de Direitos Humanos e Cidadania da cidade de São Paulo.

A emissão de mensagens sonoras ocorre nos trens e estações. As falas têm como objetivo conscientizar o usuário acerca da importância do respeito aos idosos. Já nas redes sociais, os perfis oficiais do Metrô aderem a #OrgulhoSessentaMais, que deve atingir um público para além do passageiro habitual.

Ainda no meio eletrônico, as TVs instaladas dentro dos trens reproduzirão quatro esquetes com dramatizações inspiradas no cinema mudo. A performance de atores voluntários da Cia. T3rceiro Ato visa evidenciar e fazer refletir, por meio de esquetes, situações diversas e cotidianas de discriminação de pessoas pela idade.

A campanha não se limita somente aos passageiros. Internamente, funcionários do Metrô foram apresentados a campanha antes mesmo dela ir ao ar e puderam participar de um evento virtual com autoridades no assunto. A intenção é que metroviários sirvam de referência e que possam conferir reconhecimento e valorização aos mais velhos, buscando distanciar a discriminação, a marginalização e a exclusão social dessas pessoas.

É preciso reforçar que, no Metrô, quem tem idade igual ou superior a 60 anos goza de direitos e conquistas. A acessibilidade, o atendimento preferencial com auxílio de funcionários capacitados para tal, o número de assentos preferenciais acima da quantidade determinada e o bilhete do idoso são exemplos de destaque.

Outro ponto importante é um programa de relacionamento específico, chamado “Experiente Cidadão”. Nas visitas às dependências da Companhia, empregados do Centro de Controle Operacional formam grupos especiais com idosos. Além de ficar por dentro do funcionamento do sistema, tirar dúvidas e dividir experiências, o idoso recebe diversas orientações de prevenção à queda e de bom uso do metrô.