PET

Saiba o que é mito e o que é verdade sobre pulgas e carrapatos

Para donos de cães e gatos, é comum ver seus pets com algumas coceirinhas, mas é importante ficar atento, muita coceira pode significar algo mais sério. De todos os problemas que seu animal pode enfrentar ao longo de sua vida, a infestação por pulgas e carrapatos está entre os mais comuns.

O clima frio ajuda na prevenção dessas pragas, mas o cuidado é fundamental. Mesmo com o clima mais ameno, 5,4% dos cães e 8% dos gatos levados aos consultórios veterinários têm sinais de infestação por ectoparasitas. Em contra partida, nos climas mais quentes, esses números sobem para 27% dos cães e 35% dos gatos.

Esses parasitas também são fontes de doenças para seus pets, e que em alguns casos podem ser fatais. Eles podem causar doenças como dermatites, verminoses, anemias e sintomas de estresse nos pets. As pulgas, por exemplo, podem trazer consequências para os cães que vão desde a perda de peso e de apetite até a infecção por vermes como a Dipilidose Canina, o que pode levar a diarreias com vestígios de sangue e, em casos mais graves, ataques convulsivos.

Para ajudar a esclarecer essas duvidas, a Elanco Saúde Animal esclarece 10 mitos e verdades sobre carrapatos e pulgas:

Carrapatos

Os carrapatos promovem infestações em residências

Verdade: Rhipicephalus sanguineus (mais comumente conhecido como carrapato marrom de cães) é a espécie mais comum no Brasil. Também é a única espécie adaptada a viver e a se reproduzir em ambientes internos e residenciais.

Carrapatos são resistentes

Verdade: Os carrapatos inserem suas peças bucais na pele do animal, se fixando nele pela secreção de uma substância semelhante à cola. Nunca torcer, agitar ou amassar um carrapato ao tentar retirá-lo do pet. A melhor opção é sempre administrar um medicamento contra carrapatos.

O pet pega carrapatos da grama e de animais silvestres

Mito: O carrapato mais comum de cães no Brasil é o carrapato marrom, como vimos, ele é urbano. Ele vive em locais de alvenaria à espera de um cão ou, vem de outro animal infestado que está no mesmo ambiente.

Só devemos nos preocupar com carrapatos quando os vemos

Mito: Além de muitas vezes ser difícil visualizar os carrapatos quando em pouca quantidade, é muito importante a prevenção! Evitá-los, impede o incômodo que eles causam, mas também a infestação na sua casa.

Carrapatos são perigosos

Verdade: Os carrapatos marrons transmitem muitas doenças (hemoparasitoses), como a babesiose e a erliquiose, que podem ser fatais. Além disso, aqui no Brasil, temos um carrapato de cavalos (Amblyomma cajennense) que também transmite uma doença grave ao pet e aos humanos, a febre maculosa.

 

Pulgas

As pulgas são espertas

Verdade: Elas se acomodam de frente a uma fonte de luz e esperam que cães passem. Quando vêem uma sombra bloqueando a luz, elas saltam em um novo hospedeiro.

As pulgas são facilmente visíveis

Mito: As pulgas adultas estarão visíveis andando na pele do animal, embaixo do pelo. Porém, apesar de visíveis a olho nu, são tão pequenas que 8 pulgas enfileiradas somam 2,5 cm somente. Quando em pequena quantidade podem estar “escondidas” entre os pelos e, muitas vezes, só se encontra pequenos pontinhos pretos, sendo eles as fezes das pulgas (sangue digerido).

As pulgas usam o pet para disseminar infestações

Verdade: Elas acasalam e produzem ovos enquanto estão no animal. Após a deposição de ovos, eles caem do pet no ambiente. Em seis dias, os ovos eclodem em larvas semelhantes a vermes e se alimentam de sangue semidigerido (fezes de pulgas) caídas de pulgas adultas. Esses detritos caem do cão e gato no sofá, cama, carpete, carro, isto é, onde quer que ele vá.

As pulgas agem rapidamente

Verdade: As fêmeas começam a depositar ovos 24-36 horas após começarem a se alimentar de sangue e podem depositar cerca de 2 mil ovos durante sua vida. Poucas pulgas podem não ser vistas imediatamente, porém os números podem aumentar rapidamente conforme os milhares de ovos se desenvolvem no ambiente.

As pulgas mais comuns no cão são as pulgas do cão

Mito: A pulga mais comum no cão é a pulga do gato (Ctenocephalides felis). Eles também são infestados pela pulga do cão (Ctenocephalides canis), porém raramente.



Topo