Zona Norte

Sarampo assusta moradores da zona norte

Na sexta-feira, dia 31 de maio, moradores do Jaçanã receberam um comunicado da Prefeitura de São Paulo informando que haviam encontrado um caso suspeito de sarampo naquele quarteirão. Além do bilhete, equipes da saúde foram até a região para aplicar as doses da vacina.

Questionada sobre o local de origem da doença, a gestão municipal disse não possuir esse registro, pois o infectado pode frequentar diversos locais. Por isso, ações como a que aconteceu no Jaçanã ocorrem nos espaços em que o caso suspeito visitou, tais como: residência, escola, unidade de saúde, meio de transporte utilizado em viagens no período de transmissão da doença, dentre outros.

A estratégia do município para ampliar a adesão vacinal em todo o território será a campanha de vacinação voltada para a população de 15 a 29 anos, que ocorrerá entre os dias 10 de junho e 12 de julho, sendo 29 de junho (sábado) o dia de mobilização municipal.

O ressurgimento do sarampo no fim do ano passado preocupa a todos. De acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), essa é a primeira vez desde 2015 que São Paulo registrou a circulação do vírus internamente.

Somente neste ano, a cidade de Santos registrou 21 casos de sarampo. Já na capital paulista, foram registrados 14 casos que, segundo a Prefeitura, oito deles são importados – pessoas que viajaram ou tiveram contato com quem viajou – e seis em investigação quanto ao local provável de infecção.

Por ser confundido com a gripe, devido aos seus sintomas, a situação fica ainda mais preocupante. Ela é uma doença altamente contagiosa, no qual a transmissão se dá por meio da saliva ou secreções expelidas quando o infectado espirra, tosse ou fala. Para os especialistas, não existe outro meio mais fácil de evitar o sarampo, se não for com a vacinação.

Segundo a Prefeitura, a vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, caxumba e rubéola, está disponível nas unidades de saúde. Para pessoas entre 1 a 29 anos, ela é aplicada em doses duplas. Entre pessoas com 30 e 59 anos recebem apenas uma dose. O reaparecimento da doença não é exclusivamente brasileira. Pelo globo foi contabilizado um aumento de 300% nos primeiros meses deste ano.

A Coordenadoria da Vigilância em Saúde elaborou algumas dicas para evitar a doença:

– Não se descuide do calendário de vacinação de seus filhos. A vacina contra o sarampo é a melhor forma de evitar a doença que pode ser grave, especialmente se elas estiverem debilitadas;

– Procure saber a causa da doença de crianças que convivem com seus filhos;

– Não deixe de procurar atendimento médico se aparecerem manchas avermelhadas na pele de sua criança, mesmo que ela tenha sido vacinada contra o sarampo;

– Procure saber se você teve a doença na infância ou tomou a vacina quando criança.



Topo