São Paulo

Sarampo cresce na cidade de São Paulo e tem 363 casos

Os número de casos do Sarampo em São Paulo assustou quem mora na cidade. No mês passado foram registrados 14 casos na Capital Paulista, neste mês, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o número chegou a 363, sendo que há mais 800 casos em investigação.

A cidade de São Paulo já havia iniciado uma campanha de vacinação contra a doença, ficou conhecida como dia D, com a meta de vacinar 2,9 milhões de pessoas na faixa etária entre 15 e 29 anos. Segundo balando da SMS, foram imunizados 207 mil pessoas contra a doença.

Seus sintomas são semelhantes a de um resfriado, o que pode tornar o diagnóstico mais difícil. Para dra. Michelle Zicker, infectologista da Rede de Hospitais São Camilo de SP, a vacinação “é a melhor maneira de evitar o sarampo e deve ser aplicada em duas doses a partir de um ano de vida da criança”.

Ela ainda destaca os riscos da doença “estão relacionados às possíveis complicações como infecção de ouvido (otite), pneumonia, lesão do cérebro (encefalite), diarréia, trabalho de parto prematuro e bebês com baixo peso ao nascer”. De acordo com a dra. Zicker, a principal preocupação é a encefalite e a pneumonia, que podem levar a morte.

Segundo a Prefeitura, a vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, caxumba e rubéola, está disponível nas unidades de saúde. Para pessoas entre 1 a 29 anos, ela é aplicada em doses duplas. Entre pessoas com 30 e 59 anos recebem apenas uma dose.

Em nota, a SMS alegou que a doença apareceu em São Paulo a partir de fevereiro, importados da Noruega, Malta e Israel. “Desde então, a Secretaria da Saúde já fez 1.185 ações de bloqueio vacinal com aplicação de 48.655 doses de vacina em ações seletivas, nos locais por onde as pessoas com suspeita de sarampo circularam”.

O reaparecimento da doença não é exclusivamente brasileira. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), foi contabilizado um aumento de 300% nos primeiros meses deste ano pelo globo. Em 2017, foram registrados surtos de sarampo em 170 países.

Zona norte

No final de maio, moradores do Jaçanã receberam um comunicado da Prefeitura de São Paulo informando que haviam encontrado um caso suspeito de sarampo naquele quarteirão. Além do bilhete, equipes da saúde foram até a região para aplicar as doses da vacina.

Sarampo

O Brasil havia ganhado da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) um certificado de erradicação do Sarampo em setembro de 2016, porém perdeu essa condição em fevereiro deste ano por causa de um surto da doença no norte do País.

A doença é perigosa e acompanha a humanidade desde 300 a.C, sua letalidade ajudou a dizimar tribos inteiras. Ela é conhecida pelo surgimento de manchas vermelhas pelo corpo. Também é uma doença contagiosa, no qual uma pessoa contaminada pode infectar outras 18, segundo a SMS.

De acordo com a dra. Zicker, “O sarampo se espalha pelo ar a partir de secreções que a pessoa infectada elimina ao respirar, falar, tossir, espirrar. Essas secreções ficam dispersas no ar, principalmente em locais fechados, como escolas, creches, meios de transporte e infectam as pessoas que não estão imunizadas”.

Contraindicação

É importante destacar que a vacinação para determinados grupos ainda é restrita. Segundo dra. Zicker, esse grupo é composto por:

  • Mulheres grávidas
  • Pessoas com baixa imunidade
  • Bebes com menos de 6 meses vida

Ações contra o Sarampo pela Rede de Hospitais São Camilo

O Hospital São Camilo promoveu diversas ações voltadas para o atendimento dos pacientes com suspeita de sarampo e prevenção da transmissão do vírus para outros pacientes e colaboradores:

  • Promoveu atualização e capacitação das chefias e médicos do Pronto Socorro para que saibam reconhecer e tratar adequadamente um paciente com suspeita ou diagnóstico de sarampo
  • Estabeleceu um fluxo diferente de atendimento e coleta de exames dos pacientes com suspeita de sarampo para reduzir o risco de transmissão do vírus para outros pacientes e colaboradores
  • Elaborou cartazes e panfletos para serem entregues a pacientes e médicos, com informações sobre a doença, forma de transmissão e prevenção
  • Reforçou as ações para prevenir a transmissão do vírus dentro do hospital, incluindo a vacinação de todos os colaboradores.

Ações contra o Sarampo pela Prefeitura

  • 185 bloqueios seletivos com 48.655 doses de vacina aplicadas em casas, prédios, escolas, trabalho e nos locais de convivo de pessoas que se contaminaram com a doença.
  • 10/6 – início da campanha para o Público de 15 a 29 anos que não tomaram a 2ª dose indicada pelo Ministério da Saúde;
  • 24/6 – SMS promove reunião com 20 instituições de ensino superior da capital para desenvolver e planejar ações de vacinação;
  • 29/06 – 1º Dia D com intensificação de vacinação da população de 15 a 29 anos com mais de 27 mil vacinas foram aplicadas.
  • 10/07 – Ampliação da vacinação para todas as pessoas entre 15 e 29 anos mesmo com a vacina em dia;
  • 18/07 – Capacitação de profissionais da saúde no manejo clínico  específico do sarampo;
  • 20/07 – 2º Dia D de intensificação da vacinação da população de 15 a 29 anos, mais de 57 mil vacinas foram aplicadas;
  • 207 mil doses de vacina foram aplicadas na campanha desde o dia 10 de junho.

 



Topo