Zona Norte

#somosprimatas: campanha traz novo olhar aos “primos” das matas de SP

Há quase um ano a Zona Norte começava a observar os casos de febre amarela. De setembro de 2017 até agora você já sabe muito do que aconteceu: os casos explodiram, a campanha de vacinação lotou unidades de saúde – e ainda assim, tanto tempo depois, sem atingir a meta ideal – e um item fundamental para a saúde pública ganhou os holofotes: os primatas.

Assim que os casos de mortes de macacos por febre amarela começaram a ser noticiados, uma confusão se instaurou: afinal, macacos transmitem a doença? Como o leitor, honestamente, tem por obrigação saber, os primatas não são transmissores. Apenas a picada do mosquito que é responsável pela febre amarela.

Aliás, os macacos e primatas são determinantes para o controle da doença, já que é por meio desses fatídicos casos de morte de animais saber se a população de determinado local deve ser vacinada, ou se a região necessita de cuidados mais intensos.

Mas, ainda assim, muitos partiram para a ignorância ao tentar matar os animais (ou partir para as vias de fato), além de espalhar informações falsas. Diante desse cenário de desinformação, além de várias campanhas já realizadas até hoje, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente lançou na última quarta-feira (4/7) a campanha #somosprimatas, no Parque da Juventude.

O objetivo da ação é sensibilizar (ainda mais) a população e oferecer um novo olhar para os primatas que habitam nossas matas em nosso entorno. “A ideia surgiu após o surto de febre amarela no final de 2017 ter exterminado uma quantidade significativa de primatas que habitam as florestas do estado. O foco da campanha são dez espécies paulistas seriamente ameaçadas”, afirmou Eduardo Tirani, Secretário da pasta.

Guias ilustram animais e trazem trilhas dos parques

A campanha vai além da hashtag. Dois materiais, impressos e disponíveis on-line, mostram os bichos vistos nas Unidades de Conservação da Fundação Florestal, administradora de parques como o Cantareira – que você viu aqui no SP Norte, nas duas últimas edições, com os atrativos dos vários núcleos de lazer e ecoturismo do lugar.

O Guia de Observação de Primatas de São Paulo mostra todos os nossos “primos”, chamando a atenção para a preservação da biodiversidade. No Cantareira, por exemplo, é possível ver bugios-ruivos, ameaçados de extinção, ou os simpáticos sauás. O outro material, Passaporte Trilhas de São Paulo, em segunda edição, mostra informações das trilhas dos parques estaduais, incentivando o turismo sustentável e de aventura.

Além da campanha, o encontro apresentou duas ações em conjunto com a Secretaria de Cultura: os projetos SP Cultura no Parque e o SP Circo no Parque, com o objetivo de valorizar shows e outras atrações em espaços públicos nos parques da capital.

#somosprimatas: campanha traz novo olhar aos “primos” das matas de SP


Topo