Saúde

Temperatura cai, doenças respiratórias afloram

A temperatura esfriou e a atenção com as doenças respiratórias precisa ser redobrada, sobretudo com as pessoas que estão nos extremos da vida, crianças e idosos. Além da gripe, que está no foco do Ministério da Saúde por meio da vacinação contra o vírus Influenza, cujo “Dia D” acontece neste sábado (13/5), também são muito comuns outras infecções das vias aéreas (IVAS), como a faringite, laringite, rinite, sinusite, e otite.

Esses processos resultantes do contágio de bactérias e vírus atingem os seios da face, a região nasal, ouvido, faringe e laringe. Além disso, quem tem asma pode sofrer mais crises por conta do tempo seco e ar frio. No grupo de risco dos mais afetados estão as crianças, pois o sistema imunológico ainda passa por desenvolvimento, o que ocasiona maior facilidade de contágio por terem menos defesas.

Espaços fechados são grandes propagadores desses vírus e bactérias. No caso das crianças, as creches, jardins e escolinhas pode ser ponto de infecção, em virtude do contato com amigos doentes e objetos de uso comum. Se alguém próximo, como os pais, fica doente, a criança também pode sofrer contágio.

Na outra ponta da vida estão os idosos, com seu sistema imunológico mais frágil e debilitado. Neste caso, a idade é um fator comprometedor, pois o corpo está desgastado, o que compromete a resposta imune de defesa aos antígenos. Com isso, eles são um dos primeiros a receber vacina contra a gripe na campanha de vacinação.

Sendo assim, o jeito é prevenir-se. Como muita gente fica doente ao mesmo tempo, sobretudo com gripes e resfriados, o melhor a fazer é evitar lugares fechados. Além disso, o contágio acontece, muitas vezes, de pessoa para pessoa. Por isso, quanto maior a proximidade com alguém infectado, mais chances há de contágio.

Medidas simples podem evitar a propagação dos vírus e bactérias, como, por exemplo, preferir lugares abertos e bem ventilados; lavar sempre as mãos e o nariz para retirar a poluição e potenciais invasores, usar um lenço ao tossir, abrir as janelas de ônibus para facilitar a ventilação natural, não ficar num muito tempo no ar-condicionado, nem sair de um local frio para um quente, para evitar um choque térmico.

Por fim, adote um estilo de vida saudável, alimentando-se bem e praticando exercícios físicos regularmente. Em caso de algum sintoma das IVAs, não se automedique, e sim procure um médico. Tomar um remédio por conta própria, pode, além de disfarçar os sintomas de uma doença, encobrir alguma enfermidade mais grave.



Topo