Turismo

Uma viagem pela cultura europeia, no Vale do Itajaí

No Vale do Itajaí, em Santa Catarina, um conjunto de cidades revela a influência da colonização europeia no país, com traços fortes dos povos provenientes da Alemanha, Áustria, Itália, Polônia e Portugal que lá se estabeleceram e desenvolveram a região. Nesse lugar pitoresco prevalece o verde dos morros e prados, por onde correm rios e despencam cachoeiras, revelando um dos cenários mais belos do Brasil.

Chamado de Vale Europeu, por ostentar características tão marcantes, ainda são preservados arquitetura típica, costumes, a gastronomia e, em alguns locais, dialetos. Quarenta e nove municípios estão nesse conjunto, que rende um roteiro turístico para lá de interessante.

Em Blumenau, Pomerode, Brusque e Gaspar, por exemplo, a herança cultural alemã predomina. Por sua vez, São João Batista, Rodeio e Nova Trento destacam a colonização italiana. A celebração das origens e a alegria de cada povo podem ser vistas em diversas festividades, como a Oktoberfest de Blumenau (maior festa alemã das Américas, em outubro), a Festa Pomerana (Pomerode), a Anima Italiana (Rio do Sul), e Festa Trentina (Rio dos Cedros), a La Sagra (Rodeio) e a Weihnachtsmarkt (Ibirama).

Há ainda roteiros voltados às compras, já que há muitas empresas que fabricam produtos de qualidade, a preços bem em conta. Brusque concentra um dos principais polos têxteis do país, sendo especialista em artigos de cama, mesa, banho e vestuário. Quando o assunto é calçado, São João Batista é muito procurada pelas vendas diretamente nas fábricas em pavilhões da Rodovia SC-411. Rio do Sul se sobressai pela produção de jeans e Blumenau é especialista em cristais, porcelanas, têxteis, brinquedos e chocolates.

Porém, são as estradas do Vale Europeu que revelam um encantador passeio no estado catarinense. O mais interessante, além da paisagem, é que há propriedades que rurais que recebem os visitantes, com hospedagem, muitas atividades no campo, além de uma mesa bastante farta e produtos caseiros. As casas típicas em estilo enxaimel, moinhos e capelinhas são um charme. E quem gosta de se aventurar junto à natureza pode praticar trekking, rapel, cascading, canyoning, mountain biking, voo livre, parapente e ciclismo (o primeiro circuito ciclístico intermunicipal do Brasil surgiu por ali: o Circuito de Cicloturismo do Vale Europeu – um percurso de 300 quilômetros, ao longo de nove municípios da região. A caverna de Botuverá, uma das mais belas da América Latina, rende uma experiência incrível.

Os colonizadores, não é novidade, trouxeram consigo a fé católica, muito valorizada no Vale Europeu. Santuários católicos, capelas, oratórios, igrejas e grutas homenageiam diversos santos. Somente em Nova Trento há mais de 30 instituições, incluindo o Santuário Santa Paulina – dedicado à primeira santa brasileira. Este é o segundo destino religioso mais visitado do Brasil, atrás apenas de Aparecida do Norte. Merecem destaque também o Santuário Nossa Senhora de Azambuja, em Brusque – o segundo mais importante de Santa Catarina – e a Gruta Nossa Senhora de Fátima, em Doutor Pedrinho. O Vale Europeu também abriga igrejas luteranas em Blumenau, Aurora, Presidente Nereu e Ibirama, e até uma igreja ucraniana, no município de Santa Terezinha.

Ao chegar até aqui, certamente o leitor está deslumbrado com esta região peculiar e indeciso sobre o que visitar. O site www.valeeuropeu.com reúne diversas alternativas de roteiro e detalha cada município da região, além de compilar informações importantes ao turista.



Topo