Zona Norte

Região reflete desidratação de partidos tradicionais e repete padrões do 1ºt

A votação para Presidente na Zona Norte neste 2º turno das Eleições garantiu maioria absoluta para o eleito Jair Messias Bolsonaro (PSL). O candidato venceu em todas as 12 zonas eleitorais da região. Na Capital, Fernando Haddad (PT) venceu em bairros extremamente periféricos, das zonas sul e apenas um da zona leste, tradicional reduto petista.

A segunda etapa do pleito presidencial manteve o padrão observado no 1º turno. Antagonistas, Perus e Santana deram os melhores para resultados para Haddad e o pior, respectivamente. Em relação a Bolsonaro, os mesmos distritos deram votações menores para o candidato vencedor (Perus) e a maior (e expressiva votação), em Santana. Em muitas zonas, Fernando Haddad chegou a dobrar o número de votos recebidos no 1º turno, porém não suficientes para enfrentar o avanço de Jair Bolsonaro. A média do candidato do PSL na região foi de 64,35% dos votos.

Eis os números:

Perus
Jair Bolsonaro: 51,77%
Fernando Haddad: 48,23%
*Em Perus, Haddad obteve seu maior percentual na zona norte; Bolsonaro, o pior

 

Jaraguá
Jair Bolsonaro: 57,05%
Fernando Haddad: 42,95%

 

Pirituba
Jair Bolsonaro: 67,8%
Fernando Haddad: 32,2%

 

Brasilândia
Jair Bolsonaro: 53,72%
Fernando Haddad: 46,28%

 

Nossa Senhora do Ó
Jair Bolsonaro: 65,36%
Fernando Haddad: 34,64%

 

Lauzane Paulista
Jair Bolsonaro: 64,38%
Fernando Haddad: 35,62%

 

Casa Verde
Jair Bolsonaro: 66,05%
Fernando Haddad: 33,95%

 

Tucuruvi
Jair Bolsonaro: 67,55%
Fernando Haddad: 32,45%

 

Santana
Jair Bolsonaro: 74,47%
Fernando Haddad: 25,53%
* em Santana, Bolsonaro obteve sua maior votação; Haddad, a pior

 

Jaçanã
Jair Bolsonaro: 65,75%
Fernando Haddad: 34,25%

 

Vila Sabrina
Jair Bolsonaro: 68,75%
Fernando Haddad: 31,25%

 

Vila Maria
Jair Bolsonaro: 69,55%
Fernando Haddad: 30,45%

 

Governador

Ao contrário do Estado, que elegeu João Doria (PSDB) com margem relativamente estreita sobre Marcio França (PSB); foram 51,75% para o tucano e 48,25% para o socialista, a capital não deu chances para Doria, que saiu da Prefeitura – quando foi eleito logo no primeiro turno, derrotando Fernando Haddad (PT) – para se candidatar ao Governo.

Na cidade, França garantiu 58,1% dos votos, enquanto o tucano ficou com 41,9%. A vitória do atual governador também se refletiu na zona norte. Das 12 zonas eleitorais, Doria venceu apenas em duas, nos redutos eleitorais tucanos de Santana e Vila Maria. Os números na cidade também demonstram que em toda a cidade a situação de Doria também não foi favorável, já que venceu em apenas 15 zonas.

Em algumas zonas, França chegou a dobrar (ou mesmo triplicar) o número de votos recebidos no 1º turno. De forma clara, a (alta) confiança depositada em João Doria nas eleições de 2016 ruiu entre os paulistanos.

Outra prova desta desidratação é a diferença de votos recebidos nas eleições de 2016 para Prefeito. À época, Doria chegou a ter de 40,01% dos votos em Perus a 69,05% em Santana, entre os bairros com a menor e maior votação. Agora, neste segundo turno, obteve de 29,35% a 58,28% nos mesmos locais.

Eis os números:

Perus
Marcio França: 70,65%
João Doria: 29,35%
*Em Perus, a votação mais expressiva de França, e a pior de Doria

 

Jaraguá
Marcio França: 66,27%
João Doria: 33,73%

 

Pirituba
Marcio França: 53,29%
João Doria: 46,71%

 

Brasilândia
Marcio França: 68,02%
João Doria: 31,98%

 

Nossa Senhora do Ó
Marcio França: 54,95%
João Doria: 45,05%

 

Lauzane Paulista
Marcio França: 56,81%
João Doria: 43,19%

 

Casa Verde
Marcio França: 52,41%
João Doria: 47,59%

 

Tucuruvi
Marcio França: 54,14%
João Doria: 45,86%

 

Santana
Marcio França: 41,72%
João Doria: 58,28%
*Santana foi uma das zonas em que Doria foi vencedor e a que mais obteve votos; por outro lado, a menor votação de França

 

Jaçanã
Marcio França: 54,98%
João Doria: 45,02%

 

Vila Sabrina
Marcio França: 54,3%
João Doria: 45,7%

 

Vila Maria
Marcio França: 50,45%
João Doria: 49,55%
* Em Vila Maria, a segunda vitória de Doria na região, e a disputa mais apertada entre todas as zonas eleitorais da zona norte.

Região reflete desidratação de partidos tradicionais e repete padrões do 1ºt


Topo