Mulher

Dia Internacional da Mulher: mobilização por um futuro mais igual

A ONU Mulheres anunciou o tema para o Dia Internacional da Mulher 2018: “Agora é o momento: ativistas rurais e urbanas transformam a vida das mulheres”. O assédio sexual, a violência e a discriminação contra as mulheres são temas para que mulheres de todo o mundo se mobilizam para conseguir um futuro mais igualitário. Esta ação tem se manifestado na forma de marchas e campanhas mundiais, abordando questões que incluem desde igualdade salarial até a representação política das mulheres.

foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O início

A tradição de reservar uma data para reivindicar a igualdade de direitos da mulher é centenária. A primeira delas, talvez a mais simbólica, mas não a única, ocorreu quando 129 mulheres morreram no incêndio da fábrica têxtil nos Estados Unidos. Foi em 8 de março de 1857, que patrões e policiais colocaram fogo no galpão onde as mulheres estavam trancadas, após protestarem contra a jornada de trabalho de 16 horas e por melhores salários.

foto: Lula Marques/Agência PT

No Brasil, até 1879, as mulheres eram proibidas de frequentar cursos de nível superior e, durante boa parte do século XIX, só poderiam ter educação básica. Mesmo com a legislação que permitia a instrução feminina, as mulheres tinham o acesso dificultado.

Conquistas x desigualdades

Com o novo papel da mulher da sociedade, muda também a estrutura familiar. Hoje, as mulheres aumentaram sua participação no mercado de trabalho, acumularam mais anos de estudos, não dependem financeiramente do marido e adiam casamento e filhos.

Sem dúvida, as mulheres conseguiram superar muitas barreiras, mas ainda há um longo caminho até a igualdade. Com o avanço da mulher no mercado de trabalho, elas respondem atualmente por 43,8% de todos os trabalhadores brasileiros.

foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Mas a participação vai caindo conforme aumenta o nível hierárquico. Elas representam 37% dos cargos de direção e gerência. No topo, nos comitês executivos de grandes empresas, elas são apenas 10% no Brasil, apontam dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A comparação entre os salários também mostra que homens recebem mais em quase todos os tipos de trabalho.

Poder

A disparidade é ainda maior na esfera política. No Brasil, o ranking de presença feminina no Parlamento considerando as eleições realizadas em 2014 e 2016, tivemos 490 candidatas ao Senado Federal, representando 19% do total de candidatos, contra 81% de homens. Nas eleições para a Câmara dos Deputados, as mulheres representaram 32% dos candidatos e os homens 68% do total.

O estudo da Secretaria de Políticas para as Mulheres avalia que o problema da baixa participação de mulheres em espaços de poder tem relação estreita com o limitado acesso feminino à esfera pública.

foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

No setor privado, o quadro não é muito diferente. Pesquisas confirmam a proporção de 20% a 30% de mulheres nos postos de chefia.

Brasil Mulher: união de esforços na promoção da igualdade

Em 6 de dezembro de 2017, o Presidente Michel Temer assinou o decreto que institui o Brasil Mulher, uma rede de mobilização com objetivo de integrar oportunidades, direitos e garantias igualitárias.

-> Leia mais: Corações de solidariedade unem mulheres na luta contra o câncer de mama

Segundo o decreto, o Brasil Mulher vai atuar em eixos como saúde, educação, autonomia econômica e igualdade no mercado de trabalho, enfrentamento e combate a violência e fortalecimento da participação feminina em cargos públicos; terá um comitê executivo, compostos por integrantes da Secretaria de Governo e ministérios da Justiça, Educação, Trabalho, Cultura, Desenvolvimento Social e Saúde.

foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

A coordenação será da Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres, que irá integrar representantes de outros órgãos públicos federais, estaduais, distritais, municipais, organismos internacionais, organizações da sociedade civil e entidade empresariais.

Como se observa pelos dados nacionais gerais, a discriminação de gênero ainda não foi erradicada do Brasil, mas as novas relações sociais entre homens e mulheres e o incentivo de políticas públicas voltadas para as mulheres evidenciam, sobretudo, a força das conquistas das quase 100 milhões de brasileiras na sociedade. Uma luta que não acabou, mas caminha incansavelmente para alcançar a igualdade e o respeito social.

foto (topo): Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

Dia Internacional da Mulher: mobilização por um futuro mais igual


Topo