Brasil Game Show

BGS chega à 11ª edição diante de cenário próspero

A 11a edição da Brasil Game Show (BGS) já começou – ao menos para nós, jornalistas, e quem tem convites para ver antecipadamente as novidades da maior feira de games da América Latina. De fato, a BGS começa nesta quinta-feira (11/10) e segue até domingo (14/10), no Expo Center Norte.

Neste dia “zero”, boa parte dos convidados e da imprensa teve que enfrentar filas – que poderiam durar horas – apenas para retirar suas entradas e credenciais. Ao entrar, a invasão de novidades tecnológicas, jogos, equipamentos e lançamentos, em estandes muitas vezes grandiosos, repletos de luzes e efeitos especiais para atrair o fã de jogos, seja em consoles, seja no PC.

Mesmo nesta “abertura”, as filas para disputar partidas de jogos lançados recentemente já agitavam os gamers. No estande da Sony/Playstation, Call of Duty: Black Ops 4 manteve a popularidade da série, assim como o recente FIFA 19. No telão, um trailer que saltava aos olhos pela definição e qualidade da imagem: o aguardado lançamento da segunda parte do aclamado The Last of Us. A impressão não é à toa: o game já recebeu vários prêmios pela qualidade técnica e vê uma expectativa crescente para chegar às telas – e controles.

Ao lado, o estande da Microsoft/Xbox, também mostra a que veio com o lançamento de Forza Horizon 4 ou Assassin’s Creed Odyssey. Nos estandes das marcas que produzem equipamentos, como Razer, Samsung, Logitech e HyperX, as últimas novidades tecnológicas.

Além dos computadores possantes e cheios de estilo, uma tendência que começa a ganhar corpo: acessórios e jogos de realidade aumentada. Certamente, para os mais curiosos, serão atrações concorridas para testar os óculos um tanto grandes e utilizar luvas para dar os comandos ao jogador virtual.

Milhões de jogadores, mas o faturamento ainda é baixo

Considerada a maior feira do tipo na América Latina, a Brasil Game Show já quebrou alguns recordes, e um deles vai além da região continental: a 11a edição da BGS é a que mais terá participações internacionais em um evento com esta temática.

Não chega a surpreender: o Brasil é considerado o terceiro maior país em número de jogadores em todo o mundo, e não para de crescer – um dado surpreendente diante de um cenário econômico tão desolador. Em entrevista ao canal Globo News, Marcelo Tavares, organizador da BGS, afirmou que o país possui 60 milhões de jogadores, e com espaço para crescer ainda mais.

Apesar de ser o terceiro maior, o Brasil não chega a ocupar nem o top 10 em faturamento. No entanto, a aventura a ser explorada tem chances de sucesso: entre 2013 e 2018, o número de estúdios criadores no país mais que dobrou: eram 142 desenvolvedoras brasucas, e hoje são 375. Os números fazem parte do 2o Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais, divulgado em junho.

fotos: Lucas Raucci/Bruno Viterbo

BGS chega à 11ª edição diante de cenário próspero


Topo