Zona Norte

Campo de Marte: Prefeitura faz acordo e área será destinada a parque municipal

Na última sexta-feira (21/7), em reunião no gabinete do Prefeito João Doria (PSDB) com o ministro da Defesa Raul Jungmann e o chefe do Gabinete do Comando da Aeronáutica, brigadeiro Marcelo Damasceno, ficou acertado que parte do Campo de Marte será destinado a um novo parque municipal. A expectativa é que o acerto seja assinado no próximo 7 de agosto, mês que também será divulgado o cronograma de implantação do projeto.

Foto: Secretaria Especial de Comunicação/Ministério da Defesa

A área é uma antiga disputa – desde 1958 – da Prefeitura com a União. Um cabo-de-guerra que, nos últimos anos, já estava arrefecendo em favor da Capital: a criação do parque – que pode ser o terceiro maior da cidade – vem desde 2015 (leia mais abaixo).

De acordo com o Estadão, a posse da área está com a Prefeitura, garantida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Porém, a situação ainda tramita no Superior Tribunal Federal (STF).

Doria afirmou que a construção será dividida em três fases, mas a construção de um museu aeroespacial e o parque estão garantidas. Existe a possibilidade de desativação completa do Campo de Marte, que atualmente recebe voos de pequeno porte, helicópteros e mantém espaços destinados à infraestrutura da Aeronáutica. A desativação será tema de outras reuniões entre a Prefeitura, Aeronáutica e Ministério da Defesa.

Provável localização do futuro parque, à esquerda, próximo aos campos de futebol demarcados

A área do futuro parque terá 401 mil m², número correspondente a 20% do terreno. O local fica próximo à pista e a alguns campos de futebol – a extensão do parque chega próximo onde é, hoje, uma área destinada aos carros alegóricos utilizados no Sambódromo. De acordo com os mapas da lei de zoneamento da Capital, a área faz parte da Prefeitura Regional Santana/Tucuruvi.

O encontro de agosto, quando acertado e assinado o acordo, terá a presença do Presidente Michel Temer (PMDB), do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o comandante da Aeronáutica,brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato.

Construção de parque e museu é discutido desde gestão anterior

O tema não é novo. Na última semana, em virtude do aniversário de Santos Dumont em 20 de julho, a série especial do SP Norte mostrou que o Campo de Marte poderia abrigar um museu da aviação. O projeto está “navegando pelos ares” desde, no mínimo, 2015.

Em novembro daquele ano, a reportagem “Zona Norte deverá receber museu de aeronáutica” mostrava que a ideia era ambiciosa: uma área de “40 mil metros quadrados, mais 10 mil metros quadrados para um pátio de estacionamento de aeronaves e uma rota de acesso à pista de pouso do Campo de Marte. Os acervos serão provenientes da Fundação Santos Dumont, da Força Aérea Brasileira e do Museu TAM, localizado no município de São Carlos, a 250 quilômetros da Capital”.

Domingo Aéreo no Campo de Marte

Ainda em 2015, o então prefeito Fernando Haddad (PT) já avaliava a criação de um parque. “O Campo de Marte equivale a quase dois parques do Ibirapuera. A gente abre esse espaço para atividades comunitárias”, afirmou Haddad em evento realizado na Distrital Norte da Associação Comercial de São Paulo.

Já em outubro de 2016, a ideia de um parque no Campo de Marte começou a ganhar força logo depois da eleição de João Doria para a Prefeitura. “A ideia é que a iniciativa privada, por meio de concessão, administre os parques – a exemplo do que Doria deseja realizar com o Anhembi e o Autódromo de Interlagos. Os espaços não necessariamente serão inteiramente destinados a parques, mantendo a operação do heliponto no local”, afirmava a reportagem.

* com informações do Ministério da Defesa, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e UOL

foto (topo): Ana Cláudia Sacomani/Arquivo SP Norte



Topo